RFID Noticias

Pesquisadores Britânicos a Estudar Hábitos Caseiros de Higiene

A solução foi testada pela primeira vez na casa de um dos pesquisadores de Londres. Em janeiro de 2011, o grupo pretende fornecer a solução a 75 famílias, com dois voluntários em cada casa participando do estudo.

O teste inicial foi composto de um único receptor e vários transmissores a bateria LF medindo três centímetros de diâmetro, colocados em locais dentro do banheiro e cozinha do pesquisador. As pulseiras transmitem a cada 10 segundos ao detectar que estão em movimento, com base em uma indicação do acelerômetro embutido da tag. Quando a tag chega entre 10 e 30 centímetros do excitador, ela recebe um sinal do excitador e começa a transmitir quatro vezes por segundo, com um número de identificação e o estado da bateria, bem como a identificação do excitador do qual ela está recebendo a transmissão.

Os sinais da pulseira são recebidos por um leitor Visonic localizado até 1,5 metros de distância, apesar do interrogador poder ler tags a uma distância de até 50 metros. O leitor capta os dados e encaminha para um GlobalScale Technologies GuruPlug (um computador baseado em Linux compacto e de baixo consumo de energia). O computador armazena as informações e as transmite através de uma conexão de Internet para a LSTHM, que usa a interface do gateway CASAS para ajudar a discernir o significado dos dados, incluindo os comportamentos que ocorreram e em qual ordem.

Em janeiro de 2012, cada uma das 75 famílias de Londres será convidada a levar um kit para casa que incluirá vários excitadores LF, duas pulseiras, múltiplas tags de objetos, um receptor e um servidor GuruPlug. O sistema irá monitorar todas as atividades durante as quais a pulseira entra no alcance de um excitador e encaminhará os dados para a LSTHM para interpretação. Cada família será monitorada pela escola por cerca de 18 meses, a fim de determinar o quão bem os hábitos de higiene, tais como escovação, passar fio dental e cuidados médicos, estão sendo mantidos.

Com base nos resultados do estudo com as 150 participantes Londres, a LSTHM pode então determinar se o sistema pode ser implantado em países em desenvolvimento, a fim de estudar métodos de redução da taxa de contaminação de doenças infecciosas.