RFID Noticias

Tecnologia combate desperdício de alimentos

Outra percepção equivocada, diz Mehring, é que a parte que tem o produto em mãos é responsável por sua deterioração - quando, na verdade, o dano pode ter sido feito muito antes na cadeia de suprimentos. Por exemplo, acrescenta, uma pallet de morangos frescos tem uma vida útil típica de 12 dias. No entanto, essa mesma fruta pode perder três dias de validade por estar no campo a 25 graus por três horas. A inspeção visual não detectaria esse problema.

Tendo fornecido sensores de temperatura baseados em RFID para a indústria agrícola há vários anos, a Intelleflex começou a construir seu próprio software em 2012 para capturar e gerenciar dados de leitura de RFID, já que a empresa encontrou uma escassez de provedores de software para sua tecnologia e aplicação. "Decidimos que precisávamos construir nosso próprio software e oferecer uma solução de ponta a ponta", diz Mehring. A empresa trabalhou com o Wal-Mart de 2013 a 2017, embora tenha entrado com uma ação judicial contra a gigante do varejo por violação de segredos comerciais. Em 2018, outros clientes da Zest Labs começaram a pilotar ou implantar a tecnologia, incluindo a Ocean Mist e a Costco.

Peter Mehring
Com Zest Fresh, os usuários primeiro capturam dados baseados em sensores no campo. Quando um produto (alface, por exemplo) é colhido, ele é embalado em caixas e um sensor Zest Fresh - contendo uma etiqueta RFID UHF integrada, um sensor de temperatura e uma bateria - é colocado na caixa junto com o produto. Os usuários normalmente implantam um sensor em uma única caixa em cada palete para rastrear as condições de todas as mercadorias naquele palete.

O sensor TMT-8500 (Tag ZIPR) da empresa pode ser configurado para capturar leituras de temperatura nos intervalos preferidos do usuário e para dormir entre as medições. A bateria de célula tipo moeda do sensor normalmente tem uma vida útil de três anos, com cada tag capaz de armazenar até 3.000 pontos de dados. À medida que os produtos se movem de um local para outro, como do campo para uma área de resfriamento, o tag do sensor é interrogado por um leitor de RFID portátil ou por um portal ou gateway fixo. A tag também pode ser interrogada por um leitor montado em uma empilhadeira.