RFID Noticias

Dados oceânicos são transmitidos por lagostas

A empresa de pesquisa Gloucester Innovation e a Massachusetts Lobstermen Association estão construindo uma rede para rastrear as condições do fundo do mar

Por Claire Swedberg

17 de janeiro de 2019 - Pescadores de lagostas estão ajudando a fornecer percepções baseadas em sensores com relação à saúde e condição do fundo oceânico ao longo da costa de Massachusetts, simplesmente levantando e abaixando armadilhas. A solução baseada em Internet das Coisas (IoT) aproveita o acesso único que as lagostas têm no fundo do mar, combinado com sensores e tecnologia sem fio. O sistema, conhecido como LobsterNet (ou Rede Lagosta), ainda está em processo de implantação. Foi desenvolvido pela organização de soluções baseadas em tecnologia da Gloucester Innovation, usando uma rede de área ampla de baixo consumo de energia (LPWAN) fornecida pela Sigfox EUA.

Os dispositivos sensores que a Gloucester Innovation projetou e montou medem os níveis de temperatura e acidez da água no fundo do oceano e, em seguida, encaminham esses dados para um servidor baseado em nuvem. Mas precisam da ajuda dos pescadores de lagostas, que usam armadilhas no fundo do oceano e voltam à superfície diariamente. O sistema é uma colaboração com a ajuda da Associação de Pescadores de Lagostas de Massachusetts (MLA ou Massachusetts Lobstermen's Association) para distribuir os sensores na água.

Ric Upton
O plano de longo prazo da Gloucester Innovation é cobrir toda a faixa litorânea de 192 milhas do estado com sensores que podem detectar condições como poluentes no fundo do mar, bem como melhorar o gerenciamento das linhas costeiras de acordo com essas informações. A Gloucester Innovation é uma organização de Massachusetts focada em construir plataformas, soluções e negócios para aplicações marítimas, robótica e biotecnologia. Para este projeto em particular, diz Ric Upton, fundador da empresa, buscou uma maneira de acessar informações sobre a saúde do fundo do oceano ao longo da costa do estado.

A equipe estava interessada em coletar e compartilhar dados, como níveis de PH, profundidade, temperaturas e contaminantes, de até 20 milhas da costa, com a finalidade de preservar o ambiente marinho. Seus esforços, diz Upton, são monitorar a saúde do oceano e, em seguida, gerenciar as indústrias marítimas de acordo. "Isso pode significar o rastreamento de parâmetros físicos, parâmetros químicos e informações biológicas em uma resolução e escala que não eram antes possíveis."

A coleta de dados se mostrou desafiadora, no entanto. As transmissões via Wi-Fi, Bluetooth, celular e satélite apresentam suas próprias dificuldades, como custo e distância de alcance. Os sensores implantados nos oceanos normalmente utilizam as comunicações via satélite. Essa tecnologia, no entanto, pode custar dezenas ou centenas de milhares de dólares, então os sensores devem ser colocados esporadicamente. Mas, para coletar dados do leito oceânico ao longo de vários dias, a Gloucester Innovation precisava fazer algo diferente.