RFID Noticias

RFID começa a entrar na maior parte do varejo

Um estudo da Universidade de Parma indica que as implantações em empresas de moda e vestuário ultrapassaram o estágio de adoção pioneira

Por Claire Swedberg

2 de janeiro de 2019 - O uso de RFID pelo varejo de moda e vestuário na Europa já passou do estágio de adoção pioneira, de acordo com um estudo de uma década conduzido pela Universidade de Parma. O trabalho, intitulado "RFID Barometer in Retail", examinou aproximadamente 160 implantações de RFID de 2001 a 2018. O relatório conclui que, no varejo, os dias de adoção experimental já se foram.

As empresas que instalam sistemas RFID têm menos probabilidade de serem inovadoras em tecnologia, indica o relatório, e estão seguindo o exemplo das pioneiras. Se as implantações estão apenas começando ou estão permanentemente instaladas, o estudo agora concentra-se cada vez mais em falta de estoque, precisão de inventário, automação de processos, visibilidade e reabastecimento de produtos, enquanto as vendas omnichannel estão surgindo como um novo caso de uso. Os varejistas que ainda não estão testando ou adotando RFID estão caindo na categoria de "retardatários" e potencialmente ficando atrás de seus concorrentes, de acordo com Antonio Rizzi, coautor do estudo e professor do departamento de engenharia e arquitetura da Universidade de Parma.

Antonio Rizzi
Os pesquisadores descobriram que o setor de varejo está muito à frente de outros quando se trata de uso de RFID. Na verdade, 75% das etiquetas RFID UHF são vendidas para essa indústria. Como o mercado representa cerca de 80 bilhões de itens de roupas e acessórios vendidos anualmente, o número de tags usadas também será significativo no futuro, concluíram, assim como o número de implantações.

O estudo ofereceu uma revisão das implantações de RFID em moda e vestuário na literatura e publicações, incluindo artigos e estudos de caso publicados pelo RFID Journal. O grupo estudou as experiências de empresas em projetos e implantações de RFID e também considerou as implicações práticas para o mercado varejista de moda e vestuário em toda a Europa. Rizzi apresentou os resultados do estudo no RFID Journal LIVE! Europa 2018, conferência e exposição realizadas em novembro. "A pesquisa enfoca, por um lado, no monitoramento do status de adoção de RFID na indústria e, por outro lado, como os casos de uso estão evoluindo ao longo do tempo", diz Rizzi.

As primeiras implantações de RFID ocorreram nos Estados Unidos nos anos 2000 para simplificar a logística, evoluindo, no final, para o rastreamento de itens nas lojas, dos estiques para os pisos das lojas. A pesquisa conjunta da universidade italiana com a Universidade de Wuerzburg começou em 2014 e envolveu a coleta de dados sobre implantações em 2001. "O objetivo do nosso estudo foi construir uma taxonomia abrangente, atualizada e bem estruturada para casos de uso de RFID no varejo de moda", diz Rizzi, "com base em extensa revisão de literatura". Desde então, as implantações continuadas foram avaliadas e analisadas até este ano. A equipe de pesquisa também criou um banco de dados descrevendo projetos, seu status, provas de conceitos e implementações completas.

As fontes do estudo, além do RFID Journal, incluíram publicações comerciais, jornais, sites, artigos e relatórios científicos e apresentações em conferências. O grupo estudou 149 implantações em um total de 97 empresas e 23.400 lojas que foram realizadas entre 2001 e 2018, incluindo Decathlon, Walmart, Gucci, Jack Wills, JCPenney, Diesel e Miroglio Fashion. As implantações também incluíram 89 integradores de sistemas, bem como fornecedores de tags e leitores. Mais da metade das implantações estudadas foram baseadas na Europa, com o restante localizado nos Estados Unidos e outras localidades.