RFID Noticias

Levi’s testa uso de RFID com sucesso

No CD, onde ocorre a impressão das etiquetas, será iniciado o teste para o recebimento das mercadorias e a finalização dos pedidos de compra. Também no CD realiza-se o faturamento dos pedidos de venda para as franquias multimarcas e a transferência para as lojas próprias. Em seguida, faz-se a conferência dos volumes lacrados, comparando os itens empacotados e a nota fiscal das mercadorias. Com as tags inseridas em todos os produtos, a RFID facilita, logicamente, o controle de inventário e a localização de mercadorias.

Nas lojas próprias – e, futuramente, também nas fraqueadas –, o recebimento e conferência dos volumes vindos do CD são feitos utilizando a solução de RFID, assim como o inventário da área de vendas e o estoque. O checkout nos caixas de pagamento também utiliza a identificação por radiofrequência para realizar as vendas, dar baixa automática dos itens comercializados no estoque e também para impedir a passagem de produtos furtados pelo portal de saída. Todas as tags estão adequadas ao padrão GS1. "Nos produtos da Levi’s utiliza-se codificação SGTIN-96/EPC Gen 2. Será utilizado também o padrão SSCC com DataMatrix GS1 para a cadeia logística dos volumes. E o EPCI’S para fluxo de informações entre toda a rede", diz Sérgio Gambim, CEO da iTag.

Jefferson de Paulo, da Levi’s, mostra a tag utilizada nos jeans da companhia
O processo de impressão das etiquetas ocorre no CD, após a conferência dos produtos que são recebidos da Levi’s do México ou impressos pela produção no Brasil. Para realizar as impressões, o middleware iTag Iprint verifica a quantidade de itens e aciona a impressora SATO CL4NX, que produz as etiquetas seguindo o padrão GS1. Os produtos etiquetados são armazenados em caixas lacradas e são validados no portal RFID de entrada de mercadoria, para depois seguirem ao estoque onde, posteriormente, serão enviados às lojas pelo processo de picking.

Assim que o CD recebe a solicitação de transferência para as lojas, o processo de picking é realizado com as caixas que embalam os produtos a serem transferidos. Uma leitura RFID é realizada no portal de saída de mercadorias após o processo de picking. O software iTag Alert 2.0 é alimentado com as informações de transferência com os produtos a serem expedidos. Finalizado o processo de expedição, a caixa é lacrada e lida novamente auditando cada item com a nota fiscal. No momento de chegada na loja, o processo de ler a caixa lacrada garante a acuracidade dos itens lidos, lacrados no CD.

Para a contagem massiva ou parcial das mercadorias estocadas, a Levi’s utiliza o leitor RFD 8500 da Zebra Technologies, vinculado ao aplicativo para celular Android iTag Alert. Assim , o operador realiza a leitura pelo coletor e obtém os resultados direto no aplicativo, com informações sobre o inventário total ou parcial dos produtos, FIFO (First In, First Out), ruptura, e localização de cada item.