RFID Noticias

Varejistas miram experiência do cliente, com IoT

Os varejistas estão buscando criar uma experiência de compra livre de problemas, com 78% deles reportando ser importante ou essencial para os negócios integrar comércio eletrônico e experiências nos ambientes físicos.

A Zebra constatou ainda quem, para reduzir as filas, os varejistas estão planejando investir em dispositivos móveis, quiosques e tablets para aumentar a variedade de opções de pagamento. Um total de 87% dos varejistas deve implantar pontos de venda móveis (MPOS - mobile point-of-sale) até 2021, para contabilizar os produtos e aceitar pagamentos com cartão de crédito ou débito em qualquer lugar da loja.

Dos varejistas entrevistados, 73% classificam a gestão de Big Data como importante ou essencial para suas operações. Pelo menos 75% deles preveem que vão investir em recursos preditivos e de análise até 2021 para prevenir prejuízos, otimizar preços e também desenvolver capacidade de análise de câmeras e vídeo para fins operacionais e para melhorar a experiência geral dos clientes.

Segundo a pesquisa, as principais fontes de insatisfação dos clientes são preços inconsistentes entre lojas e incapacidade de encontrar um item desejado, seja por não estar em estoque ou estar em alguma posição equivocada dentro da loja.

Os dados revelam que 72% dos varejistas planejam corrigir esses problemas reinventando suas cadeias de suprimentos contando com visibilidade em tempo real viabilizada por automação, sensores e análises.

Já 57% dos varejistas acreditam que a automação vai moldar a indústria até 2021, ajudando a empacotar e despachar pedidos, rastrear mercadorias, controlar os níveis dos estoques nas lojas e auxiliando os clientes a encontrar itens.

A pesquisa atingiu 1.700 responsáveis por decisões de varejo da América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico, Europa e Oriente Médio em um amplo espectro de segmentos de varejo, incluindo lojas especializadas e de departamento, de vestuário, eletrônicos e reformas, supermercados e redes de drogarias. As consultas ocorreram em 2016 e foram conduzidas pelas empresas de pesquisa Research Now e Qualtrics.