RFID Noticias

Tag de aço inox rastreia dispositivos de segurança

A PSE fez uma parceria com a Tectus, fabricante alemã de hardware robusto para RFID, para criar uma tag de aço inoxidável com etiqueta RFID Tectus de alta frequência (HF) de 13,56 MHz compatível com a norma ISO 15693. A tag foi projetada para operar sob condições extremas que incluem calor ou frio (uma faixa de temperatura de -44 a 60 graus Celsius), bem como umidade, vento e outras condições meteorológicas, sal, solventes industriais e produtos químicos. As etiquetas podem ser afixadas ao equipamento através do TAG-TITE. Para remover uma tag, um usuário precisaria cortar a TAG-TITE, o que deixaria evidências visuais de que o dispositivo foi furtado ou substituído.

A empresa passou a utilizar os SIS-TAGs com RFID para aplicar as etiquetas a equipamentos neste ano, armazenando o número de identificação exclusivo codificado em cada etiqueta, juntamente com o ID e o histórico do dispositivo no próprio software de manutenção da empresa. Quando um trabalhador realiza processos de manutenção ou inspeção em um equipamento de segurança, primeiro usa o leitor RFID passivo, classificado para locais perigosos, para ler o ID da etiqueta. O trabalhador pode então acessar dados do software de manutenção da empresa que indica o histórico e o serviço do item. Os dados também são gravados diretamente na tag, portanto, se não houver conexão sem fio com o software, o funcionário ainda poderá acessar as informações necessárias, como quando o dispositivo foi instalado, quais serviços foram fornecidos e qual a frequência de manutenção ou calibração. O empregado então fornece os serviços necessários e insere os dados no computador de mão, que os encaminha ao software, juntamente com o ID da etiqueta e grava os dados na etiqueta.

Um SIS-TAG acoplado a um dispositivo de segurança
Para a companhia petroquímica, Pranke diz que o sistema garante que nenhum dispositivo de segurança nunca seja perdido e que reduz o tempo que o pessoal gastaria manualmente inserindo dados sobre o que estava sendo feito. Embora os códigos de barras forneçam um identificador único, ele acrescenta que não permitiram que os dados fossem gravados no rótulo. Por outro lado, diz, a RFID UHF não funcionaria para esta finalidade no ambiente industrial, devido à longa distância de leitura. Os usuários devem assegurar-se de que estão lendo a etiqueta correta, que requer um alcance curto. Em alguns casos, Pranke aponta que os dispositivos de segurança são instalados perto um do outro.

Richard Pranke, da PSE
Ao usar rótulos habilitados para RFID, Pranke diz que as empresas podem mais do que identificar quais serviços foram fornecidos a cada dispositivo de segurança, mas também exibir dados históricos que indicam quando esse objeto foi substituído. Dessa forma, podem entender a expectativa de vida de cada peça de equipamento.

Quando os rótulos foram fornecidos à empresa petroquímica, um fabricante de produtos químicos também começou a usar os SIS-TAGs com RFID. De acordo com Pranke, a empresa está agora comercializando o produto além da América do Norte, para Europa e Oriente Médio. "Nossas etiquetas são totalmente personalizáveis", diz ele, incluindo o tamanho do rótulo e cor e as informações impressas na frente.

A PSE também está no processo de criação de um aplicativo para dispositivos móveis que pode ser usado com Android. Com o aplicativo, os usuários poderiam utilizar um smartphone ou tablet para ler cada tag, atualizar e exibir informações e gravar dados diretamente na tag. O aplicativo deverá estar disponível em 2017.