RFID Noticias

Moradia para idosos dos EUA expande implantação da tecnologia

"Vimos valor na plataforma e queríamos estendê-lo", diz Dana. Desde então, a empresa adotou a solução de emergência pessoal em todas as suas cinco comunidades. A organização não só fornece pingentes para serem usados por moradores (tags Wi-Fi também estão disponíveis na forma de uma pulseira), mas está instalando pingentes em paredes para que os moradores ou o pessoal possa rapidamente pressionar o botão do dispositivo no momento de uma emergência.

Para o gerenciamento de movimentação humana, os condomínios instalaram sensores nas portas. Se uma tag pingente ou pulseira recebe o sinal de um sensor, transmite o número de identificação juntamente com o seu próprio, dando a localização. O software MobileView então determina se o indivíduo que está relacionado com a etiqueta está permitido a estar dentro do local. Se não estiver autorizado, o sistema dispara um alerta para os trabalhadores da área através de seus iPods.

Steve Élder
Durante os últimos 12 meses, a organização também instalou tags com sensor para controlar temperaturas dentro de refrigeradores e freezers. Se um sensor detecta que um limite de temperatura designado foi excedido, emite um alerta para os iPods dos trabalhadores responsáveis.

De acordo com Dana, a Episcopal está agora procurando maneiras de usar o sistema para entender melhor se um residente requer assistência, mesmo que essa pessoa não tenha solicitado. Por exemplo, se um residente mostrar um nível de atividade anormalmente baixa ou alta, os dados de status podem ser capturados pelo software MobileView e analisados pela equipe.

O ponto importante para a Episcopal, diz Steve Elder, gerente sênior de marketing da Stanley Healthcare, é não introduzir novas camadas de infraestrutura para utilização de RTLS, mas aproveitar os dados que já estão sendo obtidos com o sistema.

A mais recente atualização do sistema foi a introdução do novo pingente P10 da Stanley Healthcare, que está sendo testado. O P10 foi projetado para ser mais fácil de empurrar e mais confortável de usar, de acordo com Pamela Stitt, diretora de fisioterapia da Episcopal. "Dá uma sensação mais suave", afirma.