RFID Noticias

Hospital gerencia suprimentos cirúrgicos

Quando um item for necessário para a cirurgia, um membro da equipe segue para o gabinete e coloca o seu crachá RFID na frente de um leitor na parte frontal do gabinete, perto do touchscreen, ou manualmente insere uma senha. A tela sensível ao toque exibe uma lista de pacientes que irão passar por cirurgia naquele dia. O indivíduo escolhe o paciente correspondente aos itens que serão utilizados e retira os produtos do armário.

Quando o funcionário fecha a porta, o leitor do gabinete captura todos os IDs das tags RFID. O software Dyane, em seguida, compara esse resultado contra o inventário de bens que devem permanecer no gabinete.

Diana Roca, da Palex Medical
Se a quantidade de um determinado produto fica abaixo do nível mínimo, o software Dyane pode encaminhar pedidos ao software de gestão do hospital, que então transmite uma ordem para que o produto seja adquirido. Quando um item tem a data de expiração se aproximando, os dados também podem ser exibidos no software.

Além disso, diz Roca, o software Dyane pode transmitir o nome do paciente para o qual os itens foram destinados. O software pode fazer a fatura automática, mas o hospital ainda não está utilizando esta função.

Usando o Dyane SmartCabinet, afirma Roca, o hospital espera garantir que não falte produtos em estoque e evitar que fiquem vencidos, mas também pretende reduzir os custos com base no excesso de pedidos. A tecnologia reduz o tempo de trabalho manual e libera o time para se dedicar mais ao trabalho de atendimento ao paciente.

Os distribuidores da Palex estão se preparando para instalar 90 armários em um total de sete hospitais filiados à Sergas, serviço de saúde pública da Galícia, Espanha. No entanto, diz Roca, os detalhes da instalação, incluindo o calendário, ainda será determinado. A Palex tem distribuidores em alguns outros países da Europa, além de Brasil e México.