Notas do Editor

Um mundo melhor com embalagens mais espertas

Empresas pioneiras em RFID como a HP ou inovadoras como a Zaitt são exemplos de como usar novos conceitos de embalagens inteligentes, ativas... e até de um novo varejo

Por Edson Perin

26 de abril de 2019 - Faz oito anos que sou editor do RFID Journal Brasil. Neste período – e já antes disto – tenho acompanhado bastante este mundo da identificação por radiofrequência (RFID), Internet das Coisas (ou IoT, da sigla em inglês), novos processos de negócios, produtos e embalagens mais inteligentes, omnichannel, multichannel etc... São tantos nomes, tantas letrinhas na sopa, que muita gente fica confusa. Mas não precisa se atrapalhar com tudo isso para saber faturar – muito mais! – com todos estes novos recursos.

Além da otimização para fazer o produto chegar melhor e mais rápido nas mãos de quem interessa, ou seja, do comprador, a inteligência embutida nas embalagens facilita também a sustentabilidade das empresas, o que melhora a vida de todos. Isto graças ao poder de controlar o descarte do lixo e mesmo a reciclagem de insumos descartados, o que pode reduzir custos e tornar as iniciativas mais verdes [aliás, o que não faltam hoje são vídeos na internet mostrando ondas de garrafas pet nos oceanos, tartarugas com canudinhos de plástico no focinho e outras imagens aflitivas do gênero].

Uma coisa surpreendente, porém, está sendo verificada simultaneamente à adoção crescente de tecnologias como RFID ou mesmo de outras como a Digital Printing, que têm na HP Brasil não apenas um case, mas uma iniciativa premiada no último RFID Journal Awards (leia mais em HP Brasil integra RFID com Smart Packaging e HP e Boticário estão entre vencedores do Awards 2019), afinal, este cenário está servindo para o desenvolvimento de um novo tipo de varejo, como mostrarei neste artigo.

"Ahhh... mas o Brasil é um atraso de vida. Não temos nada disto aqui", é o que você pode estar pensando. E a resposta a isto: "engana-se quem pensa assim!" O Brasil tem sido o berço e também o laboratório de muitas iniciativas pioneiras e de outras tantas criações inovadoras – sem limites. A começar pela própria HP, que deu o impulso inicial para tornar o Brasil um exemplo em RFID e, também, IoT. Agora, no entanto, estamos sendo vistos pelo mundo como um dos primeiros lugares a ter uma loja automática, sem funcionários, real, toda equipada com RFID: a Zaitt.

O que a gente pode chamar de mercadinho high-tech, com alimentos, produtos de higiene e limpeza, bebidas, doces etc. começou com uma loja com self-checkout baseado em QR Code, na cidade de Vitória (ES). Quando a Zaitt chegou a São Paulo, houve um choque de tecnologia: a empresa passou a usar tags RFID para tornar a tentativa de automação muito mais dinâmica e realista. O apoio para isto acontecer, deve-se dar o crédito, foi da CCRR.

Quando cheguei ao Brasil no início deste mês, vindo do RFID Journal LIVE!, notícias sobre a Zaitt passaram a sair em diversos veículos, inclusive canais de televisão, graças ao seu ineditismo. Muita gente veio me perguntar se eu achava que isto era uma tendência, se realmente era a RFID a base tecnológica de toda esta revolução, o que seria dos empregos etc. Passadas algumas semanas, a Zaitt saiu da mídia geral e agora caiu na realidade: para prosperar, terá de ser eficiente, cativante e competitiva. E pode ser! Então, não adianta se contentar com o status de "uma curiosidade", porque isto é momentâneo.

Falando nisto, como o mundo empresarial deve se preparar para estas novas oportunidades de negócios? Em primeiro lugar, por meio de mídias online, como o RFID Journal, que se especializou na cobertura deste fenômeno e tornou-se, além de uma referência global, um repositório de conteúdo crível sobre a utilização eficiente e criativa de tecnologias avançadas nos ambientes de negócios. Outra maneira é participar dos eventos, congressos e exposições que abordam estes temas.

Vou citar dois exemplos. No início de junho, nos dias 3 e 4, um evento em New Jersey, sob a realização da Active & Intelligent Packaging Association (AIPIA), que tem sede na Holanda, reunirá marcas e desenvolvedores de soluções de embalagem voltadas ao consumidor e ao varejo, para explorar como as tecnologias mais recentes podem reinventar toda a cadeia de valor.

O Active & Intelligent Packaging Summit Americas terá dois dias de apresentações com uma visão das tecnologias disruptivas, como RFID e Digital Printing, e como os proprietários de marcas e profissionais de marketing estão se preparando para uma utilização mais intensiva e com retorno sobre o investimento (ROI). O evento terá ainda uma área de exposições com fornecedores e promete oportunidades de networking.

Em seguida, no final do mês de junho, será realizado o RFID Journal LIVE! Retail @ RetailX 2019, um novo evento do RFID Journal, de 25 a 27 de junho no McCormick Place, em Chicago. O LIVE! Retail @ RetailX 2019 será parceiro de outros dois grandes eventos de varejo: GlobalShop, a maior feira de design e merchandising do setor de varejo, e a Internet Retail Conference & Expo (IRCE), principal evento para empresas de comércio eletrônico. Estes três eventos, sob a bandeira RetailX, devem atrair mais de 20.000 profissionais do setor de varejo.

E, então? Como você está se preparando para um mundo melhor e com embalagens mais espertas?

Edson Perin é editor do RFID Journal Brasil e fundador da Netpress Editora.

  • « Anterior
  • 1
  • Próximo »