Notas do Editor

Delta Air Lines usa RFID como Business Intelligence

A companhia considera que os dados sobre coletes salva-vidas e equipamentos de emergência permitem planejar melhor e tomar decisões de negócios

Por Mark Roberti

18 de dezembro de 2018 - Odeio ser o tipo de pessoa que reclama quando as coisas não saem dentro do esperado, mas estou frustrado. Fico aborrecido quando leio os chamados especialistas falando sobre big data e business intelligence (BI), mas nunca mencionando a identificação por radiofrequência (RFID). É como se achassem que toda empresa já tivesse dados de alta qualidade sobre suas operações. Isto está longe da verdade.

As empresas podem ter dados financeiros e de vendas precisos, mas, quando se trata de suas operações, seus dados - perdoem meu vocabulário - são uma droga. Dados de inventário? Fuhgeddaboudit [“esqueça isso”, em dinamarquês]. A menos que funcionários e clientes reportem ao seu departamento de TI cada vez que eles mudam (ou roubam), a precisão do seu inventário será horrível.

Utilização de ativos? A maioria das empresas nem sequer sabe qual é a taxa de utilização. Na maioria dos casos, não têm meios de coletar tais informações. É por isso que este slide, apresentado na semana passada na nossa conferência RFID para o Setor Aeroespacial e Defesa, por Rick Lewis, um analista de negócios da Delta para manutenção de aeronaves, me surpreendeu. Dados RFID equivalem a business intelligence. Sim! Sim! Rick entende! A Delta consegue! (Eu nunca usei tantos pontos de exclamação em uma coluna na minha vida!)

A Delta instalou mais de 320.000 tags em seus geradores de oxigênio, coletes salva-vidas e outros equipamentos de emergência. Costumava levar cerca de oito-horas-homem para verificar as datas de vencimento dos geradores de oxigênio a bordo de um avião 757. Agora, a Delta pode fazer isso em menos de dois minutos.

Mas não é só isso. Os dados são acumulados tão rapidamente que podem ser coletados com muito mais frequência. Cada tag é lida a cada 60 dias. Isso significa que a Delta possui uma grande quantidade de informações sobre quais caixas ou equipamentos de emergência nos quais os aviões expiram a cada mês. Como você pode ver no slide de Rick, a Delta Air Lines pode prever a demanda - que não é apenas de interesse da companhia aérea, mas também de seus fornecedores, que podem comprar seus materiais com antecedência e estar preparados para atender às necessidades da Delta.

Com os dados, a Delta gerencia melhor sua mão de obra. Se há meses em que menos itens precisam ser substituídos e outros meses quando mais precisam ser substituídos, a Delta pode ver isso com bastante antecedência e organizar agendas de trabalho para ter mais funcionários no horário durante os meses de pico e uma equipe menor quando menos itens requerer substituição. Isso reduz as horas extras durante esses meses de pico e diminui o trabalho desperdiçado durante os meses mais lentos.

Os benefícios são óbvios e específicos. Eu acho que nunca vi uma história de inteligência de negócios com exemplos concretos comparáveis de dados operacionais sendo transformados em valor por sistemas de inteligência de negócios. Acho que os consultores um dia descobrirão que você precisa ter dados bons e precisos para aproveitar as ferramentas de inteligência de negócios e que a RFID é a maneira mais confiável e econômica de obtê-la.

Algum dia.

Mark Roberti é o fundador e editor do RFID Journal.

  • « Anterior
  • 1
  • Próximo »