Notas do Editor

Um bom exemplo brasileiro para o mundo

O novo processo de negócios da Brascol com RFID faz parte de uma nova etapa, claramente, de amadurecimento do uso da tecnologia. Ou seja, a companhia está encontrando outros processos em que pode aprimorar as operações, graças ao uso da RFID. Uma das próximas iniciativas apresentadas por Gambim será a utilização de tags em grandes araras no estoque, para localização de produtos e rápida disponibilização na loja, onde os clientes fazem suas compras.

"A visibilidade que a RFID permitiu sobre a disponibilidade dos estoques", diz Gambim, "é muitíssimo maior do que a que era possível com os códigos de barras, que além de tudo consumiam tempo para leitura, mão-de-obra e resultavam em relatórios cheios de erros de inventário".

O benefício maior da tecnologia de identificação por radiofrequência, segundo ele, é saber o tamanho, cor e características das peças de roupas, por exemplo. "Os códigos de barras davam apenas o total de peças de um modelo em estoque, mas nunca as características necessárias para uma venda, como cor, tamanho e outras informações", explicou.

Outro importante benefício notado como efeito da implantação da RFID foi a redução dos espaços físicos para estoques da empresa. Nas áreas liberadas, a Brascol abriu novos espaços para visitação do público, ampliando a oferta de produtos. Além disso, abriu lugar em seu armazém onde poderá estocar produtos de terceiros, o que deve se tornar um novo negócio, já que a empresa não prestava este serviço antes.

Diante deste cenário inspirado pelo uso de RFID, a Brascol passou a ser um exemplo para as outras empresas do Brasil e também de outros países. Afinal, em meio à crise pela qual o país está passando, a companhia continua otimizando o uso da tecnologia, mostrando que é possível ganhar eficiência e lucratividade ao mesmo tempo em que reduz custos, num ano em que muitos decidiram ou estão sendo obrigados a encolher.

Edson Perin é editor do RFID Journal Brasil e fundador da Netpress Editora.