Notas do Editor

O encanto tecnológico

Outra conclusão lógica: educação, educação e educação. Não se pode esperar que uma solução tecnológica de ponta saia funcionando sem que sejam tomados todos os procedimentos necessários para o seu bom desenvolvimento. Porém, deve-se dizer ainda que isto não pode ser uma desculpa para se acomodar e dizer: "RFID é uma tecnologia muito complexa e com a qual não podemos perder tempo". Este pensamento tem todos os ingredientes para significar prejuízo em pouco tempo, principalmente se os concorrentes forem um pouco mais ousados.

Alguns executivos de empresas fornecedoras de soluções de RFID já comentaram que alguns profissionais de TI (Tecnologia da Informação) de grandes empresas preferem evitar uma conversa mais profunda sobre adoção de identificação por radiofrequência porque não entendem de RF, ou seja, temem a radiofrequência. Em alguns casos, a RFID acaba sendo implantada por imposição da área de negócios e, para isto, um bom parceiro externo acaba sendo fundamental.

Sendo assim, algumas provedoras de tecnologia já estão criando soluções em nuvem, sob demanda, com a qual qualquer empresa – em princípio, de qualquer porte – possa colher os frutos da RFID, sem ter de se debruçar nos estudos para isto.

Diante disto tudo e lembrando-me do encantamento que os romances de Harry Potter provocaram em minha filha desde a sua infância e provocam, até hoje, na jovem pré-universitária, reflito: a tecnologia mais encantadora é aquela que consegue inspirar as pessoas a inovar. Ou seja, mais do que simplesmente resolver seus problemas rotineiros, uma tecnologia tem de "dar poderes especiais".

Quem nunca quis ser Harry Potter, Batman, Super Homem, Homem Aranha? Ou seja lá qual foi ou é o seu herói favorito. A verdade é que todos encantam pelos poderes especiais... Porém, nenhum deles chegou perto da RFID e do poder da "Internet das Coisas". Pense nisto.

Edson Perin é editor do RFID Journal Brasil, jornalista, palestrante, escritor e autor do livro "TI para Negócios".