RFID Estudos de Caso

Fábrica brasileira turbina produtividade

How the System Works
A Label Evolution instalou quarto portais de RFID, com leitores da parceira Impinj. Um interrogador foi localizado na entrada do estoque. Outro situa-se na saída da fábrica, a qual coincide com a entrada da área de inserção automática, conhecida como SMD (Surface Mounting Devices), devido ao nome dos produtos feitos ali. Um terceiro aparelho foi colocado na entrada e saída de outra área de inserção automática, conhecida como PTH (Pin-Through-Hole). Um quarto foi montado na entrada da área de inserção manual.

Nas áreas de inserção automática, os semicondutores são colocados por máquinas em placas que são colocadas dentro de produtos eletrônicos. Na área de inserção manual, os semicondutores são postos em placas pela equipe de montagem da Technicolor Brasil.


O portal RFID ao fundo está na saída do estoque, que também é a entrada da área de inserção automática SMD. O portal em primeiro plano está situado na entrada e saída da área de inserção automática

A Technicolor Brasil fixa etiquetas passivas de RFID da UPM RFID, outro parceiro da Label Evolution, em todos os containeres de semicondutores que chegam ao estoque. Atualmente, a empresa utiliza cerca de 30.000 etiquetas, de acordo com Yasmine Cunha, gerente de projeto da Label Evolution.

O portal de recepção do estoque, equipado com quatro antenas, atualiza o inventário sempre que a companhia recebe um novo carregamento de semicondutores. Os portais na saída do armazém, com três antenas – a entrada da área de inserção automática PTH (com uma antena) e a entrada da inserção manual (com uma antena) –, rastreiam o local dos semicondutores que se movem pelo processo de manufatura.