RFID Estudos de Caso

Hospital reduz tempo de processos para cirurgias em 10%

O sistema monitora pacientes em seis fases: espera de pré-registro, registro, espera pós-registro, pré-procedimento, procedimento e pós-procedimento. Primeiro, é atribuída uma pulseira ao paciente no check-in. A pulseira vem com um transmissor IR embutido para enviar um número de ID exclusivo vinculado aos dados desse paciente no software de gerenciamento do hospital.

A pulseira continua a sinalizar sua identificação em intervalos regulares, e essas comunicações são recebidas pelos receptores Gen 2IR instalados em toda a área. Quando o receptor mais próximo captura a identificação da pulseira, ele encaminha os dados para o software Tagnos OR, que identifica a localização da pulseira e envia essas informações para o software da AHWM.

À medida que um paciente se desloca de uma área para outra (como da sala de cirurgia para a sala de recuperação), os dados de localização são atualizados no software da Tagnos OR e no hospital. Os prestadores de serviços de saúde no local podem usar o dispositivo TC51-HC da Zebra para acessar dados sobre o fluxo do paciente, bem como o status de qualquer paciente específico. Com a tecnologia em vigor, Saad diz que o AHWM estabeleceu metas para atendimento ao paciente que incluem um tempo máximo de espera de 15 minutos na sala de espera da área de registro e duas horas na área pré-operatória antes de um procedimento.

Para atender a essas metas, o pessoal deve gerenciar rigorosamente quanto tempo os pacientes esperam e garantir que passem rapidamente para a próxima etapa da visita. Os funcionários podem usar o aplicativo para visualizar quando um paciente está pronto para o centro cirúrgico, por exemplo, e organizar os procedimentos. Se um paciente espera por um longo período em qualquer área, os funcionários podem receber um alerta. O sistema também fornece análises. Com a solução Tagnos OR, Saad diz: "Sabemos quando os pacientes entram. Sabemos quando temos dias e horários mais ocupados, e quando podemos precisar de mais ou menos funcionários".

Desde que a tecnologia foi instalada, Saad diz que o hospital conseguiu reduzir três posições em tempo integral devido à maior eficiência, e os pacientes agora estão sendo vistos com mais eficiência. "Com as pessoas vendo onde cada paciente está", relata, "eles podem fazer escolhas sobre a movimentação de casos antes do previsto". Além disso, ao mover os pacientes de forma mais eficiente através de seus procedimentos, com menos tempo de espera, os funcionários podem concluir seu dia mais rapidamente. "Isso coloca um sorriso no rosto de um médico", afirma.