RFID Estudos de Caso

TV Globo reduz tempo de operações

As características do trabalho de uma emissora de TV são bem específicas. "Uma gravação externa", diz, "é similar a um casamento". Paias afirma que várias áreas são envolvidas – por exemplo, maquiadores, figurinistas, atores, diretores, engenharia, etc. – e todas devem realizar as suas atividades em harmonia com as demais e em conformidade com as exigências de cada gravação, nas quais nenhuma destas partes pode falhar, sob o risco de haver o cancelamento da operação.

Com isso, a área de logística teve de se adequar para uma nova era de avanços, com o intuito de suportar o aumento das demandas. "Nos nove CDEs operados no Rio de Janeiro e em São Paulo, neste ano, deverá haver um volume aproximado de oito milhões de movimentações", calcula Paias.

Renata Rampim
Nos testes, depois de realizados os ajustes necessários, a maioria das leituras foi de 100%, pelos interrogadores handheld. "A doutora Renata [Rampim, especialista em RFID e sócia-fundadora da consultoria RF Consulting] nos apoiou na implantação do projeto desde a seleção dos equipamentos, tags adequadas para a nossa realidade até no posicionamento e correta fixação", relata Paias. "Os equipamentos e luminárias presos ao teto dos estúdios, que também precisam ser controlados, serão os próximos passos do projeto".

Segundo Renata Rampim, os desafios para rastrear os equipamentos da TV Globo com RFID foram vários. "Desenhei todo o projeto de RFID, inclusive para que tudo desse certo. Estudei cada equipamento para que a posição da fixação das tags proporcionasse a leitura ideal. Vale a pena ressaltar que todos os equipamentos são de metal e a leitura deveria ser realizada dentro de malas fechadas".