RFID Noticias

Marinha dos EUA usa RFID até com explosivos

Testes confirmam que etiquetas sem fio RuBee podem ser instaladas diretamente para ajudar a gerenciar o uso, manutenção e desativação de munições

Por Paul Prince

23 de agosto de 2012 - A US Navy, Marinha dos Estados Unidos, assim como outras organizações militares dentro e fora dos EUA, mantém sites onde armazena bombas e outros tipos de munições que são detonados com dispositivos eletro-explosivos (EED) ou eletricamente iniciados (EID). Um EED ou EID é um componente explosivo ou pirotécnico ativado pela aplicação de energia elétrica.

A radiação eletromagnética (EMR) produzida por etiquetas e leitores RFID, bem como outro equipamento de tecnologia de identificação automática (AIT), pode ter o potencial de inadvertidamente acionar ou desativar EIDs contidas na artilharia. Esta atuação não intencional pode resultar em consequências contra a segurança (queima prematura) ou confiabilidade (dudding). A atuação acidental ou invalidação de munições eletricamente iniciada por EMR é conhecida como um dos Perigos da Radiação Eletromagnética para Arsenal (HERO, na sigla em inglês).

A Visible Assets, fabricante de etiquetas de 134 kHz e leitores com base no padrão RuBee (IEEE 1902,1), anunciou que suas tags, leitores portáteis e estação-base sem fio são a primeira tecnologia a ser certificada pela Marinha dos EUA para uso a zero de Safe Separation Distance (SSD) do material bélico. Outras tecnologias sem fio baseadas em RF (EPC RFID passivo, Wi-Fi, ZigBee, Bluetooth e UWB) estão ainda sendo testadas e podem receber o aval para uso em segurança com munições, de acordo com John K. Stevens, CEO e presidente da Visible Assets, mas os leitores dessas etiquetas normalmente têm SSDs que variam de três pés para 12 pés. Portanto, diz Stevens, ler essas tags pode constituir um risco próximo de munições, enquanto o hardware da sua empresa pode ser operado com segurança.

Em novembro de 2011, a pedido da Visible Assets, o Naval Surface Warfare Center, Dahlgren Division (NSWCDD), de Virginia, realizou um teste de avaliação de segurança HERO de leitores ativos e antenas, leitor portátil e tags ativas (a bateria). Com base nos resultados dos testes, o centro concluiu que o equipamento da empresa pode ser usado com segurança com munições.

O US Department of Defense (DOD) define um equipamento seguro para HERO todo aquele que é suficientemente protegido e que todos os EEDs contidos por este objeto são imunes aos efeitos adversos (segurança ou confiabilidade) quando o item é empregado dentro de seus ambientes de frequência de rádio.

Os testes da Naval Surface Warfare Center envolveram os seguintes produtos da Visible Assets: estações-base Sidewinder (SW-121) e Blaster (Base-110) em conjunto com os seus leitores Ranger (RP-A351), leitor portátil pRap (PRP-100) e a tag 1T (TID-100-W-1T-S). "A etiqueta 1T é a nossa tag de maior alcance e mais poderosa", diz Stevens.

De acordo com um relatório emitido pelo Naval Surface Warfare Center, as estações base RuBee testadas são capazes de operar do nível 1 ao 7, de potência de energia. O nível mais alto de energia foi avaliado em primeiro lugar. Com base nos resultados de segurança, a NSWCDD concluiu que, no nível de energia 5, as estações-base RuBee com uma antena Ranger podem operar com segurança a um SSD zero com munição HERO, mas os terminais da antena não devem ter contato direto com o material bélico.
  • « Anterior
  • 1
  • Próximo »