RFID Noticias

Impinj anuncia simulador de desempenho de RFID para lojas

A nova ferramenta pode ajudar os varejistas a obter insights sobre como a tecnologia RFID pode beneficiar a gestão de estoques e a rentabilidade do estabelecimento

Por Mark Roberti

13 de junho de 2012 - A Impinj, provedora de tags e leitores RFID no padrão EPC Gen 2 UHF, anunciou um novo Store Performance Simulator (SPS), uma ferramenta de análise baseada na Internet projetada para permitir que os varejistas analisem a implantação da tecnologia RFID para executá-la em cenários hipotéticos. A Impinj espera que a ferramenta ajude os varejistas a entender melhor como identificação por radiofrequência pode aumentar a precisão do inventário e como essa melhoria impactará a rentabilidade de uma loja.

O simulador tem mais de 25 entradas que o varejo pode personalizar para analisar o desempenho de sua própria loja ou departamento e, ainda, permite à empresa comparar vários cenários. Por exemplo, uma loja pode comparar o uso de RFID na linha de base (sem fazer nada novo) ou na utilização de trabalho adicional, para controlar o inventário. A versão experimental do SPS permite ao usuário criar cenários pré-construídos e, em seguida, alterar alguns dos parâmetros de entrada.

A Impinj também está lançando uma edição profissional que permite aos usuários editar e salvar novos cenários em que todas as entradas podem ser controladas. Para obter a versão profissional, os varejistas devem contatar a Impinj diretamente. Uma empresa que pretenda criar novos cenários terá de trabalhar com a fabricante de chips para entender como a ferramenta atuará com certos insumos ou alterar as simulações, de modo a refletir as necessidades específicas da empresa.

Além disso, a Impinj está lançando um manual, intitulado "Fast Track to Profits: Using Simulation to Improve Store Operations", que descreve os benefícios da simulação de RFID em uma loja, assim como explica como o SPS prevê que o impacto sobre o desempenho e os lucros de alterações feitas nas operações de armazenagem. Também detalha um estudo de caso envolvendo uma loja sem nome com o qual a Impinj colaborou.

"Nós trabalhamos com uma loja que estava tentando melhorar a disponibilidade de prateleira sem o uso de RFID", explica Arnstein. "Eles estavam analisando para fazer algumas mudanças no que diz respeito à formação, tendo contagens de inventário mais frequentes e apenas tentando manter as coisas na prateleira. Modelamos seus processos e as previsões a partir da ferramenta refletiram-se em seus resultados. Houve uma melhora nas vendas, mas a equipe do projeto concluiu que você pode fazer melhor com RFID, se o processo não é sustentável sem RFID".