RFID Noticias

Três fabricantes de chips RFID concordam na abordagem por serialização

O benefício da serialização baseada em chip é que um usuário final não precisa gerenciar o número de série por um software ou um banco de dados associado. A GS1 planeja publicar uma orientação explicando ambas as abordagens para os usuários finais, de modo que possam escolher um método ou o outro, ou uma combinação dos dois, para atender as suas necessidades.

"Há um ano, achamos que precisaríamos de um padrão para a serialização", diz Traub. "Não houve consenso sobre o que se seria. Os usuários finais têm muita flexibilidade, na medida em que podem escolher usar seus próprios esquemas de serialização, ou contratar um bureau de serviços para fazê-lo, ou usar as opções de serialização baseada em chip oferecida pela Alien, Impinj e NXP. Eles até podem usar uma combinação de métodos. É o resultado ideal".

A Impinj introduziu recentemente seu método de serialização baseada em chip EPC, que a empresa chama de Monza Auto-Serialização. Para tirar proveito disso, a empresa deve empregar tags EPC Gen 2 contendo o chip RFID Monza 5, bem como a Plataforma Impinj de etiquetagem na origem. Como resultado de seu recente acordo com Alien e NXP, a Impinj irá modificar seu método de auto-serialização Monza para apoiar o processo de MCS. Alien e NXP vão também modificar suas respectivas plataformas de chips baseadas em serialização, de modo a estar de acordo com o esquema de MCS.

A atribuição de três bits para identificar o fabricante de chips cria oito potenciais prefixos (000, 001, 010, 011, 100, 101, 110, 111), de modo que o quadro pode acomodar chipmakers adicionais, se for necessário. Há mais de 30 fabricantes de chips registrados, mas muitos deles estão concentrados em chips para aplicações específicas, tais como memória para o setor aeroespacial.

Um usuário final pode optar por usar mais de um método de serialização para o mesmo produto. Uma empresa de fabricação dos mesmos bens na América do Norte, América Latina e Europa podem optar por utilizar MCS em um único local, basear a serialização em TI em outro e um bureau de serviços em um terceiro. Para a serialização de TI e bureau de serviços, poderia usar os prefixos não atribuídos de modo que os números não-MCS não colidiriam com os números de série MCS.