RFID Noticias

Virtual Chemistry cria solução com RFID para laboratórios com cobaias

O provedor de software e serviços adicionou suporte a etiquetas e leitores UHF EPC Gen 2, com o intuito de permitir a automação de inventários de seus clientes

Por Claire Swedberg

16 de abril de 2012 - A Virtual Chemistry, provedora de software e serviços para o setor de ciências da vida nos EUA, informou que o seu software para gestão de laboratórios com animais, o Mosaic Vivarium, agora suporta a solução de RFID Wi-Com Sensus, da www.allentowninc.com Allentown Inc., para fornecer dados de localização automatizados. A solução baseada em RFID foi projetada para tornar mais fácil para o laboratório documentar os locais de gaiolas cheias de animais de laboratório, juntamente com históricos e obter maior eficiência ao realizar contagens de inventário.

Os laboratórios muitas vezes gerenciam cobaias para pesquisadores realizarem testes e estes pagam os laboratórios para hospedar e cuidar dos animais. Estes estabelecimentos empregam uma grande variedade de métodos para rastrear os milhares de camundongos ou outros animais. Os sistemas de gestão de animais de laboratório relacionam as cobaias com os respectivos cientistas que as estão usando. O software Mosaic Vivarium foi projetado para permitir a manutenção de registros e análise de dados sobre animais de laboratório, armazenando os dados recolhidos sobre localizações dos animais e os históricos de cuidados, bem como estudos posteriores realizados sobre eles por pesquisadores específicos e também para facilitar a cobrança dos serviços. A maioria dos laboratórios usa um manual ou código de barras baseado no método, mas a Virtual Chemistry está agora fazendo parceria com a Allentown Inc. para fornecer um método mais automatizado que utiliza tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID).

A gestão de inventário de animais tornou-se mais complexa na última década, explica Travis Thelen, VP de produtos e serviços da Virtual Chemistry, já que a necessidade de ratos de laboratório para testes genéticos tem crescido exponencialmente desde 2002. As frequentemente usadas cobaias "knock-out" (ratos geneticamente modificados com um ou mais genes) são criados para tipos específicos de testes genéticos e depois são vendidos para uso pelos pesquisadores.

As empresas que criam ratos ou compram para torná-los disponíveis aos pesquisadores, normalmente realizam controles de inventário semanais, a fim de verificar os locais das gaiolas dentro dos laboratórios e, assim, o número de animais dentro dessas gaiolas. Além disso, a informação em relação à idade dos animais, a saúde, alimentação e procedimentos é descrito (quer pelo pessoal de laboratório ou por pesquisadores) sobre um cartão inserido na parte da frente da gaiola e os trabalhadores do laboratório podem inserir esta informação no sistema. Os dados são então agregados numa planilha Excel, da Microsoft ou outro software. As deficiências inerentes ao método manual não são apenas a grande quantidade de tempo gasto para completar a tarefa, mas também o risco de erro humano, por exemplo, por transcrever o número de uma gaiola de modo incorreto. Os pesquisadores estão geralmente sob uma grande pressão financeira para ficar dentro de um orçamento. Além disso, o método manual torna impossível extrair dados sobre gaiolas e os animais dentro delas, e tampouco para criar relatórios avançados com base nessa informação.

A solução Wi-Com Sensus consiste em um plástico para rótulo da Gemline com uma tag RFID passiva EPC Gen 2 UHF. O software armazena o número de cada tag de gaiola, relacionado com a sua localização e histórico, e pode exportar os dados para o sistema de gestão existente. Neste caso, ele irá exportar os dados de localização para o software da Vivarium Mosaic, que armazena dados relativos ao histórico da gaiola, seu faturamento, bem como para controlar a genotipagem realizada sobre os ratos, juntamente com uma história de cada animal. O software pode residir no sistema de um usuário, mas geralmente é acessível através de um servidor hospedado pela Virtual Chemistry. O Wi-Com Sensus emprega hardware RFID fornecido pela Motorola Solutions e Alien Technology.