RFID Noticias

Checkpoint Systems lança novas tags e soluções de codificação nos EUA

O objetivo é o de atender o número crescente de varejistas de roupas e fornecedores que buscam RFID para aumentar as vendas e controlar melhor os estoques

Por Beth Bacheldor

6 de março de 2012 - A Checkpoint Systems expandiu e lançou novas soluções de identificação por radiofrequência (RFID) e também o portfólio de tags (etiquetas) destinadas às roupas de marca, seus parceiros de varejo e lojas de departamento. Segundo a empresa, seus novos produtos são projetados para atender as necessidades crescentes dos varejistas e fornecedores, que estão intensificando suas iniciativas de RFID.

A Checkpoint oferece agora três maneiras em que os fornecedores e varejistas podem codificar as tags: alta velocidade para codificação em massa, agências de codificação RFID e serviços de impressão de tags dentro da própria empresa. A solução de alta velocidade permite que um centro de distribuição (CD) possa codificar vários itens dentro de uma caixa com etiquetas RFID aplicadas em velocidade operacional, o que, segundo a Checkpoint, reduz o tempo gasto para codificar grandes quantidades de mercadorias.

Para integrar a solução de alta velocidade, a Checkpoint analisa as operações existentes de um CD e, em seguida, implanta um sistema de RFID personalizado para atender necessidades específicas de cada instalação. A solução garante a codificação mais rápida e precisa com base no Electronic Product Code (EPC), sem a necessidade de abrir manualmente as caixas e manusear peças individualmente. E ainda utiliza o que a Checkpoint chama de o melhor da sua categoria em hardware e software, com implantações em várias empresas.

Tag High-Kick
Apesar de a solução da Checkpoint não suportar o chip Monza, da Impinj, que realiza serialização automática baseada em EPC, a empresa afirma que deverá fazê-lo no futuro. Um porta-voz da Checkpoint disse que a serialização da Impinj poderá ser usada com o seu próprio software OATxpress, se os clientes exigirem fazê-lo. Para tirar proveito do Monza, deve-se empregar as tags EPC Gen 2 contendo os chips RFID Monza 5 junto com a plataforma Impinj de etiquetagem.

Além disso, a Checkpoint ampliou seus escritórios de serviço RFID na Ásia, Europa, América Central e América do Norte, onde a empresa codifica números únicos EPC, imprime dados variáveis em etiquetas em suas próprias lojas de impressão e, em seguida, envia os rótulos aos fornecedores em todo o mundo.

Tag Whirl
Além disso, a Checkpoint passou a oferecer serviços de impressão dentro as fábricas, para atender aos requisitos de fabricantes de vestuário e de varejistas que precisam gerenciar o processo de marcação em locais remotos, muitas vezes, sem um serviço de internet confiável, o que dificulta a obtenção de números EPC para a impressão e codificação RFID sob demanda. A Checkpoint explica que suas novas unidades de serviços permitem às empresas gerir localmente o processo completo, incluindo número de serialização e impressão de tags.