RFID Noticias

Hospital infantil dos Estados Unidos planeja expandir sistema de sensores sem fios

A instituição relata que o investimento na solução CheckPoint, da TempSys, já se pagou por reduzir o custo para controlar a temperatura dos refrigeradores de sangue

Por Claire Swedberg

30 de janeiro de 2012 - O Hospital Infantil do Colorado, localizado na cidade de Aurora, nos Estados Unidos, está instalando sensors de RFID para monitorar as temperaturas dos refrigeradores para armazenamento de sangue, aquecedores de toalha e outros aparelhos de refrigeração dentro dos 10 novos andares da torre que está atualmente em construção. As flutuações de temperatura podem ter um efeito nocivo sobre produtos como medicamentos, sangue ou alimentos, e podem se tornar um risco de segurança, por exemplo, se um paciente receber alimentos estragados ou se um aparelho superaquecer um cobertor. A solução para monitoramento de temperatura que está em uso pelo hospital é a CheckPoint, fornecida pela TempSys.

Há cinco anos, o Hospital Infantil do Colorado começou a implantar sensores TempSys com RFID em uma nova instalação. Atualmente, o hospital está usando o sistema CheckPoint para acompanhar as temperaturas de 641 unidades de aquecimento ou de arrefecimento ao longo de sua instalações, a cada cinco ou 15 minutos. Durante os últimos três anos, o hospital tem sido capaz de utilizar a tecnologia para diagnosticar e reduzir as flutuações de temperatura dentro dos refrigeradores e aquecedores, reduzindo o número de alarmes diários de uma média de 50 a 60 alertas por dia em 400 unidades, para 7 ou 8 alertas diários em 641 unidades. As novas unidades de refrigeração estão sendo equipadas com a solução CheckPoint na nova torre, o que deve levar o número de sensores RFID para até 850 unidades até o final deste ano e 1.000 até o final de 2013, de acordo com Harry (Butch) Wilcox, líder do hospital na área de equipamentos não-clínicos.

Sistema de sensores com RFID reduz flutuações de temperatura nas geladeiras

Os sensores RFID da CheckPoint operaram em 904-926 MHz, segundo Bob Yuan, presidente e CEO da TempSys. Implantar o sistema normalmente envolve a instalação de repetidores para as transmissões das tags para um gateway. Neste caso, porém, o centro médico exigia uma solução que funcionasse em seu sistema de antena distribuída, fornecida pela Mobile Access, que pode receber sinais de RF (radiofrequência) que operam na faixa de 400 v a 2,5 GHz. O sistema de antena distribuída oferece Wi-Fi e acesso à telefonia celular em todo o hospital.

O Hospital Infantil de Colorado explorou pela primeira vez um sistema de monitorização de temperatura em 2006, ao mesmo tempo em que construiu uma nova fábrica em Aurora. Apesar de ter considerado usar os repetidores CheckPoint – o hospital queria instalá-los no teto de cada andar do prédio –, seria necessária uma vasta quantidade de repetidores, bem como muito trabalho de instalação e, com isso, um custo proibitivo. O hospital já estava implantando o sistema de antena distribuída para gerenciar dados sem fio e transmissão de celular e, portanto, optou por incluir o sistema com um backbone CheckPoint. Os sensores RFID TempSys transmitem os seus próprios números de identificação, juntamente com a temperatura ou outros dados do sensor, para a antena mais próxima, que então transmite essa informação para o software CheckPoint que reside no servidor do hospital. A gestão hospitalar poderia, então, ver as condições de cada unidade de refrigeração ou aquecimento e alertar por um e-mail ou mensagem de texto em caso de um problema (como um aumento indevido de temperatura ou queda muito grande).

O hospital então começou a instalar os sensores RFID CheckPoint, cada um com duas pilhas AA para alimentar os sensores e transmissões (as baterias têm uma vida útil de até dois anos). Cada tag vem com uma sonda sensora que mede a temperatura dentro de uma unidade de refrigeração ou aquecimento. A TempSys também forneceu etiquetas com sensores para medir os níveis de umidade dentro das salas de operação, bem como o nível de água dentro de uma osmose reversa (RO), tanque usado para o trabalho de laboratório.