RFID Noticias

Empresa californiana de logística rastreia caminhões e carretas em seu pátio com RFID

A DSC Logistics monitora as atividades de cada veículo dentro de sua instalação e compartilha as informações online com clientes e transportadores

Por Claire Swedberg

23 de janeiro de 2012 - O provedor de serviços terceirizados de logística DSC Logistics obteve ganhos de eficiência e reduziu custos em sua instalação em Mira Loma, Califórnia, usando um sistema de identificação por frequência de rádio UHF, fornecido pela PINC Solutions. O sistema PINC Hound Yard, implantado há um ano, elimina a necessidade de que funcionários da DSC procurem carretas no pátio e permite que os clientes e transportadores acessem informações sobre o andamento das operações de carga e descarga pela Internet.

O centro de logística de Mira Loma é composto por três instalações de armazenamento e transporte, todos compartilhando um pátio único, no qual carretas carregadas e vazias são armazenadas para serem descarregadas ou embarcadas em outro lugar. Não apenas os reboques de múltiplas empresas de frete são gerenciados nas três instalações, mas também os seus conteúdos – que pertencem a 20 clientes. A maioria das cerca das 200 carretas estacionadas no local periodicamente contém produtos alimentares perecíveis e precisam de realizar algum tipo de operação entre um e três dias. As cargas são descarregadas ao chegarem de Port of Long Beach, na maior parte das vezes, e depois armazenadas e transportadas a partir da instalação da DSC Logistics.

Carretas que frequentemente operam no pátio da DSC Logistics tem uma tag definitiva instalada em sua carcaça

Para registrar a chegada das carretas, horários de partida e a localização no pátio, a empresa tinha desenvolvido um sistema de gerenciamento manual que dependia de papel e caneta, além de uma planilha de Excel, da Microsoft. No entanto, era um processo demorado que exigia a dedicação por mais de uma hora de vários trabalhadores em cada turno para inspecionar visualmente cada carreta e suas respectivas cargas, escrever o número de série de cada carreta e sua localização no pátio, além de exigir que o pessoal do escritório passasse mais de uma hora conciliando a informação manuscrita com os dados no sistema. Se uma transportadora quisesse saber o status de seus reboques, por exemplo, teria de aguardar o envio de um e-mail ou fazer chamadas telefônicas para solicitar que os dados fossem extraídos do registro eletrônico.

No ano passado, o centro de logística conquistou um novo e grande cliente, resultando em um aumento do número de reboques que entram e saem do pátio, o que tornou a gestão das carretas ainda mais complexa. Então, a DSC Logistics optou por experimentar a solução PINC Hound Yard, que consiste no uso de tags RFID passivas EPC Gen 2 UHF, que passaram a ser colocadas em cada carreta, de leitores instalados nos caminhões e no pátio e de um software para gerenciar os dados das operações e compartilhá-los com clientes e empresas de transporte pela Internet, como explicou Michael O'Reilly, gerente de soluções e líder do projeto na DSC Logistics.

Michael O'Reilly
A DSC Logistics testou o sistema em seu pátio por vários meses até validá-lo. "Atingimos as economias de custos que estávamos prevendo, identificamos os benefícios com serviços adicionais e, com isso, nos consideramos prontos para assumir a parceria tecnológica com a PINC", disse O'Reilly.

Com o sistema de RFID, as carretas que passam pelo pátio com frequência tem uma tag RFID permanente da Alien Technology aparafusada em sua carcaça. Ao chegar, explicou Rafael Granato, gerente de marketing e comunicação da PINC Solutions, os caminhões tem de atravessar um portão equipado com leitores XR440, da Motorola Solutions, que interroga cada tag, relaciona o número da etiqueta de identificação com os dados sobre a carreta e o cliente e, então, apresenta a informação no computador do guarda que controla o portão. Após receber a atualização de dados pelo software e fazer a vistoria, o guarda indica que a carga está em ordem e orienta o motorista sobre onde o reboque deve ser depositado.