RFID Noticias

Fabricante belga de peças para aviação rastreia ferramentas com RFID

A Asco utiliza um sistema da Zetes-RFIDea, baseado em RFID EPC Gen 2 - segunda geração do Electronic Product Code, ou Código Eletrônico de Produto -, que se conecta ao seu sistema de gestão (ERP)

Por Claire Swedberg

13 de dezembro de 2011 - A fabricante belga de peças para aeronaves Asco Industries adotou uma solução baseada em RFID para gerenciar 2.000 ferramentas de usinagem de grande porte, em suas instalações em Bruxelas. Desde que o sistema entrou em funcionamento em junho deste ano, a empresa informa que reduziu a quantidade de tempo que seus funcionários gastam para localizar os dispositivos elétricos dentro da fábrica, de semanas para poucas horas. O sistema permite à empresa saber em qual de suas sete instalações cada ferramenta está localizada. Assim, as ferramentas podem ser rapidamente localizadas por auditorias, quando exigidas pelas estações de usinagem específicas ou para manutenção ou reparo. Toda a solução foi fornecida por Zetes Corp., uma divisão da RFIDea.

A Asco produz aço de alta precisão e componentes de titânio utilizados pela indústria aeronáutica. A produção dessas peças requer o uso de ferramentas especiais de usinagem, às quais um pedaço de metal é fixado antes de ser cortado para formar um componente. Cada parte para cada tipo de aeronave requer um acessório original de modo que ele possa ser cortado adequadamente para um cliente específico. A Asco torneia os dispositivos elétricos em suas instalações e, em alguns casos, os dispositivos elétricos são criados para atender às exigências de um cliente particular. As ferramentas de usinagem resultantes passam a pertencer ao cliente específico e não à Asco.

Neste cenário, o cliente pode, ocasionalmente, realizar uma auditoria em seus jogos de ferramentas e garantir que eles estão sendo devidamente mantidos. Isso pode demorar um mês para a Asco (ou funcionários do próprio cliente) localizar cada um e verificar diferentes registros eletrônicos, por exemplo, um gerido pelo departamento de manutenção e outro pelo departamento de auditoria.


Jerome Coulon, gerente de vendas da Zetes-RFIDea


A solução consiste em tags RFID anexadas a cada dispositivo elétrico, um leitor fixo em cada um dos sete edifícios e interrogadores de mão que os funcionários ou os clientes podem utilizar para recuperar informações sobre um dispositivo elétrico em particular quando perto dele, simplesmente lendo a sua tag. A Zetes-RFIDea, desde o hardware até o software de gerenciamento, encaminha essas informações para um novo sistema de software de gerenciamento de dispositivo elétrico desenvolvido pela Asco. A aplicação de gerenciamento de dispositivos reside no sistema de gestão (ERP) da Asco, controlando todos os dados relacionados aos equipamentos, incluindo a sua localização e estado de manutenção.

O desafio, de acordo com Jerome Coulon, gerente de vendas da Zetes-RFIDea, foi encontrar um hardware de RFID que pudesse ser executado de forma confiável dentro do ambiente hostil às ondas de rádio encontrado nas plantas da Asco. As tags precisariam ser aparafusadas às luminárias de aço inox ou titânio, explica ele, e estariam cercadas por outros objetos de metal, bem como os submetidos ao salpicos de limalhas de metal e óleo de corte. A Zetes-RFIDea testou 10 diferentes etiquetas de RFID passivas, EPC Gen 2 de ultra-frequência (UHF), três leitores fixos e dois interrogadores portáteis.

A maioria não atendeu às necessidades do ambiente, com a exceção do hardware selecionado: a tag Max, da Omni-ID, que conta com uma rígida caixa de acrilonitrila-butadieno-estireno (ABS) e classificação IP 68; leitor fixo Simatic RF670R da Motorola Solutions e o dispositivo portátil MC9090-G, fabricado pela Siemens. Com as tags Omni-ID e os leitores da Siemens, a Asco pode localizar tags a até 5 metros de distância.