RFID Noticias

A varejista de roupas colombiana Cristal Vestimundo planeja ampliar piloto com RFID

Nos três primeiros meses, o uso de tags de identificação por radiofrequência garantiu maior eficiência no transporte e inventário de produtos, encorajando a empresa a uma segunda etapa de testes, mais avançada

Por Mark Roberti

30 de novembro de 2011 - A Cristal Vestimundo, um dos principais produtores e varejistas de vestuário da Colômbia, concluiu o piloto de três meses da tecnologia de identificação por radiofrequência, com 5.000 itens etiquetados, entre 50 tipos de peças de vestuário diferentes, rastreando seus movimentos a partir do centro de distribuição até o armazém de estocagem. Os resultados do piloto foram positivos, como mostram os relatórios da empresa, que agora planeja avançar para uma segunda etapa mais ambiciosa, em fevereiro de 2012, com uma implantação em larga escala.

O primeiro teste, realizado em conjunto com a LOGyCA, empresa de consultoria baseada em Bogotá, ocorreu de 20 junho a 30 outubro de 2011. Os itens de vestuário fabricados pela Crystal Vestimundo foram marcados com UPM RFID Belt e etiquetas Sirit RSI-674, ambos baseados em padrões EPC Gen 2 de RFID, de frequência ultra alta (UHF).

As etiquetas foram aplicadas nas roupas da Cristal Vestimundo em Medelin e foram enviadas para duas lojas na mesma cidade. Os itens foram então recebidos no estoque da loja usando um leitor portátil Motorola MC9090 Solutions. O objetivo foi o de determinar se a RFID poderia reduzir os custos trabalhistas e aumentar a precisão do inventário e transporte.


Laura Leal Londono, gerente de logística da Cristal Vestimundo


Na recente conferência RFID Textil y Confeccion (Têxtil e do Vestuário), organizada em Medelin em 09 de novembro de 2011 pelo RFID Journal e a LOGyCA, Laura Leal Londono, gerente de logística e chefe da equipe de RFID da Cristal Vestimundo, disse à platéia que normalmente um trabalhador demora 24 minutos para receber uma caixa contendo 150 itens de vestuário. A RFID, disse, reduziu o processo para menos de quatro minutos.

Sem RFID, de acordo com a executiva, são necessários atualmente 15 trabalhadores, com jornadas de oito horas cada, para controlar o estoque de 20.000 itens da loja. Além disso, o controle de inventário deve ser feito à noite, para evitar a interrupção das operações.

Apenas 50 itens de estoque (ou SKUs) de dentro da loja foram marcados com RFID, mas já foi o suficiente para que a tecnologia pudesse reduzir significativamente a quantidade de tempo necessário para realizar a contagem de estoque. "Poderíamos fazer um inventário todos os dias e não apenas uma vez por ano", afirmou.

O piloto exigiu funcionários para executar processos adicionais, porque o sistema RFID não estava integrado com o back-end da loja. Assim, os trabalhadores tiveram de receber produtos da forma padrão e ainda rastrear itens com tags RFID. Às vezes, alguns dos produtos que deveriam ter sido lidos por RFID não o foram, porque estava faltando uma tag (etiqueta).

Para evitar este tipo de falha, a Crystal Vestimundo dedicou um trabalhador para garantir que cada item tivesse uma tag RFID. A empresa finalmente atingiu 100% de precisão na leitura de RFID, de acordo com Leal.