RFID Noticias

Varejista de Jóias do Texas Ganha com RFID

A Dallas Gold & Silver Exchange (DGSE) está usando tags EPC Gen 2 para melhorar a gestão do seu estoque de jóias, diamantes, relógios, moedas raras e outros produtos.

Por Mary Catherine O'Connor

18 de julho de 2011 - Com a sua experiência em implantar inventários de RFID e soluções de segurança para os varejistas que vendem bens de elevado valor (veja Ótica Varejista Descobre que RFID Ajuda a Ver a sua Mercadoria de Forma mais Clara), a Electronic Inventory Solutions (EIS) acreditava que poderia ajudar a Dallas Gold & Silver Exchange (DGSE), um varejista com sede em Dallas especializada em jóias, diamantes, relógios finos, barras de metal e moedas raras, a melhorar o seu processo de gerenciamento de inventário.

No início deste ano, a DGSE decidiu aceitou a EIS - integradora de sistemas RFID com base em Carrollton, Texas - em sua oferta. No mês passado, o varejista substituiu as etiquetas de código de barras utilizados em seus produtos por tags EPC Gen 2 RFID passivas, como parte de um programa que, diz a empresa, reduziu os custos do trabalho, impulsionando a precisão do inventário e segurança da loja. Como resultado, a DGSE está agora a colher os frutos.

Antes de implantar de identificação por radiofrequência, Diane Goff, gerente DGSE de controles internos, passou a maior parte de seu tempo contando as jóias e outros itens que a sua empresa vende. A cada trimestre ela visitava a capitânia da DGSE em Dallas, bem como suas lojas menores em Euless, Texas; Charleston, Carolina do Sul, e Woodland Hills, Califórnia, e realizava um inventário físico. Em Dallas, que mantém um estoque de cerca de 6000 produtos, este processo levava cerca de 60 horas no total (ou, cumulativamente, seis semanas por ano). Adicionando as outras três lojas, cada uma das quais mantém um inventário de cerca de 1.500 itens, e esta parte de seu trabalho tomava um enorme tempo.

Contagem de Estoque
Hoje em dia, o trabalho Goff é bastante diferente. Uma tag EPC Gen 2 RFID passiva é anexada a cada item em cada loja. Quando um item é recebido no inventário, um funcionário atribui uma etiqueta codificada com o número do item. Cada manhã, depois que os trabalhadores em cada local levam as bandejas do cofre da loja para as vidraças de exposição, eles passam um leitor RFID portátil sobre cada bandeja. O leitor transmite os números das tags para o software mediador da EIS, rodando na rede do varejista, que filtra os números de tags duplicados e encaminha a lista de números de tags exclusivos para o software de ponto-de-venda.

De volta ao escritório de Dallas, Goff compara esta lista com uma lista mestre mostrando o inventário que deve estar na loja. Ela, então, envia aos empregados da loja, uma lista dos itens em falta a partir dessa lista - o interrogador, ocasionalmente, não consegue ler duas ou três tags quando inicialmente passa por cima das bandejas, explica Darryl Hubbard, presidente e fundador da EIS.