RFID Noticias

Tecnologia RFID Zela pela Torre de Londres e Suas Peças de Arte

Os sensores Wi-Fi da Senceive permitem que a instituição responsável pelo castelo, a Historic Royal Palaces, monitore as condições ao redor das paredes medievais e de uma frágil pintura em uma das paredes para garantir a preservação histórica.

Por Claire Swedberg

8 de junho de 2011 - Após a conclusão de um projeto de dois anos envolvendo o uso de uma rede em malha ativa de tecnologia RFID para monitorar as condições que poderiam degradar suas paredes de pedra e as obras de arte, a Torre de Londres continua a utilizar a tecnologia RFID para monitorar os ciclos de temperatura do ambiente e da superfície assim como a umidade em duas torres. Esses dados podem então ser comparados com as condições das paredes da torre e de uma pintura localizada dentro da estrutura de pedra. O sistema, fornecido pela Senceive, foi montado em 2009 como parte de um projeto de pesquisa iniciado pela instituição responsável pela torre que procurava por soluções sem fio para o monitoramento ambiental em áreas nas quais as paredes espessas podem obstruir as transmissões.

A Torre de Londres, composta de vários prédios, torres, museus e acervos históricos no centro de Londres, é um dos cinco sítios históricos gerenciados pela Historic Royal Palaces, uma instituição de caridade independente. Grande parte da fortaleza, como muitos castelos no Reino Unido, foi construída usando arenito de Reigate, um material de construção comumente usado durante o período medieval. A pedra é altamente absorvente e, sendo assim, pode absorver a umidade do ar. Se a temperatura oscila, essa umidade pode congelar ou se expandir, causando prejuízos dentro da estrutura. Por esse motivo, uma boa parte do arenito de Reigate nos castelos britânicos tem sido substituído ao longo dos anos; Entretanto, a câmara superior da Torre Wakefield da Torre de Londres ainda possui as paredes originas de Reigate, com até 1 metro de espessura, e a Historic Royal Palaces tem como objetivo preservá-las. "Para fazer isso, a instituição deve monitorar as condições ao redor das paredes," disse Constantina Vlachou, a cientista sênior de conservação da Historic Royal Palaces.



Para agir de acordo com as condições mutantes, a organização pode utilizar desumidificadores, aquecedores ou refrigeradores, ajustados de acordo com as necessidades da pedra ou da obra de arte.

Além do gerenciamento da Torre de Londres, a Historic Royal Palaces também supervisiona o Palácio da Corte de Hampton, a Casa dos Banquetes, o Palácio de Kensington e o Palácio Kew. Todos os cinco sítios empregam sensores sem fio, fornecidos por uma variedade de empresas e instalados em áreas preocupantes, que transmitem os dados para pontos de acesso Wi-Fi permitindo consequentemente uma visão em tempo real das condições do sítio. A Torre de Londres é única, no entanto, devido à espessura de 1 metro de muitas de suas paredes. Por isso, a Historic Royal Palaces procurou a Senceive, que fornece um sistema de rede em malha sem fio utilizado para monitoramento de ferrovias, construções e obras arquitetônicas. "Uma grande percentagem do trabalho da empresa está focada nas ferrovias," disse Simon Maddison, Diretor de Operações da Senceive. Porém, a empresa também fornece o que ela chama de Heritage Intelligence (Inteligência Patrimonial), um sistema projetado para o monitoramento de ambientes dentro de castelos e outros marcos históricos.

"É um mercado especializado, mas os princípios de monitoramento das estruturas e da arquitetura são relativamente similares," afirmou Maddison.