RFID Noticias

Embratel lança IoT para gestão na área de saúde

A solução de Internet das Coisas criada com parceiros permite que gestores de farmácias acessem online informações sobre remédios e tomem decisões

Por Edson Perin

30 de outubro de 2018 - A operadora de telefonia Embratel anunciou o desenvolvimento de soluções de Internet das Coisas (ou IoT, do inglês Internet of Things) para monitorar a qualidade de medicamentos em farmácias. As soluções são produzidas em parceria com as empresas Fibo, Sierra Wireless, Konker e Bunker.

A primeira solução é um sistema que permite monitoramento automático de temperatura e umidade dos medicamentos, um requisito da Anvisa, a agência nacional de saúde, para que seja utilizada em qualquer farmácia. Atualmente o monitoramento é feito manualmente, pelo menos três vezes por dia para cada sensor - uma farmácia tem em média de três a quatro sensores.

Elisabete Couto, da Embratel
Elisabete Couto, diretora de IoT da Embratel, diz que uma segunda solução se refere a um conservador de vacinas conectado, que também precisa ser monitorado para garantir a qualidade dos produtos que armazena. "Para as soluções mencionadas, a Embratel/Claro [A Claro é a parceira de telefonia móvel da Embratel] será provedora de conectividade NB-IoT", esclarece Elisabete. "A Konker fornece a plataforma IoT, a Bunker é fabricante dos conservadores de vacinas, a Sierra Wireless é fabricante dos módulos de comunicação NB-IoT e a Fibo é provedora da aplicação de monitoramento e controle das temperaturas".

De acordo com a diretora da Embratel, com esse sistema as medições das condições ambientais da loja, como temperatura e umidade, são coletadas e registradas automaticamente, evitando esquecimentos ou erros humanos no registro das medições. "[A solução] também envia alertas e notificações caso thresholds previamente programados sejam atingidos, por exemplo, temperatura acima de 27ºC ou umidade abaixo de 30%".

Ambos os sistemas usarão padrão de comunicação NB-IOT – Cat-M1, que a Embratel garante conectar um grande número de sensores a um custo baixo. A solução funciona como "plug-and-play" [conecte e use, em inglês], sendo que o cliente precisa apenas ligar o equipamento na tomada para ter acesso imediato aos dados gerados. "Os projetos utilizam tags equipadas com sensores de temperatura e umidade, que transmitem as informações, por meio de uma rede mesh local, para um gateway de comunicação localizado na farmácia", explica Elisabete.