RFID Noticias

Correios consumirão 461 mi tags até 2021

O projeto de modernização postal com RFID, iniciado no Brasil com o suporte da agência especializada das Nações Unidas (ONU), prevê a massificação do uso a partir de 2020

Por Edson Perin

30 de julho de 2018 - Até 2021, segundo previsões oficiais dos Correios do Brasil, serão necessárias 461 milhões de etiquetas RFID de diversos formatos, tamanhos e para diferentes aplicações, representando uma oportunidade de negócios expressiva para as empresas fornecedoras da tecnologia no país, graças ao acordo internacional para rastrear cartas e encomendas no mundo todo por tags UHF. A demanda da implantação foi apresentada na semana passada aos fornecedores brasileiros de etiquetas RFID em evento na GS1 Brasil, cuja padronização será empregada no sistema.

O Brasil é o ponto de partida de um projeto para melhoria de processos e oferta de novos serviços postais em todo o mundo e que tem como base o uso da tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID). Sob a batuta da Universal Postal Union (UPU), agência especializada das Nações Unidas (ONU) que coordena as políticas postais entre os países membros, os Correios estão implantando o uso de etiquetas inteligentes em correspondências e, principalmente, em caixas de produtos, já que atualmente a demanda crescente do comércio eletrônico tem ampliado o volume deste tipo de entrega.

Tela da apresentação dos Correios
Os Correios e a UPU iniciaram a implantação da terceira etapa do projeto GMS (Global Monitoring System), que prevê a ampliação da utilização da tecnologia RFID no rastreamento de objetos do fluxo postal internacional e nacional. De acordo com os Correios, em 2019, perto de 15% do volume de tags mencionado acima será necessário para viabilizar a adoção da tecnologia. Em 2020, a previsão é de que sejam atingidos 60% deste volume. E, em 2021, a operação atingirá 100%.

No atual momento, os Correios pretendem dar maior celeridade e transparência ao projeto, obtendo subsídios técnicos junto ao mercado e, assim, visando a possibilitar o desenvolvimento da especificação de etiquetas de RFID UHF passivas a serem utilizadas em itens postais, ou seja, remessas, malotes, caixetas e contêineres. O evento na GS1 buscou identificar a capacidade produtiva e formas de fornecimento usuais no mercado brasileiro, além de práticas comerciais, tais como prazos de entrega, lotes mínimos, unidades de fornecimento, certificações, custos, customizações e restrições, entre outros aspectos.

Os interessados devem encaminhar propostas, informações, sugestões e pedidos de esclarecimentos pelo email rfid@correios.com.br, canal destinado a otimizar a comunicação com o mercado para a finalidade de atender as demandas do projeto.