RFID Noticias

RFMicron torna-se Axzon e foca sensores sem fio

O novo nome comercial da empresa visa a refletir o foco crescente em produtos e soluções com sensores sem baterias

Por Claire Swedberg

10 de maio de 2018 - As demandas de negócios e, posteriormente, as soluções oferecidas pela RFMicron mudaram ao longo dos anos, de circuitos integrados a sensores completos e soluções sem fio. Em abril, a empresa anunciou seu novo nome: Axzon.

A empresa, localizada em Austin, Texas, atenderá seus clientes com os mesmos produtos e soluções, incluindo circuitos integrados, segundo Alan Hansford, vice-presidente de marketing e desenvolvimento de negócios da Axzon, mas fará isso sob o novo nome comercial. Axzon refere-se a "axônio", fibra nervosa que serve como linha primária de transmissão do sistema nervoso.

Nos últimos anos, diz Hansford, a empresa vendeu sensores RFID que captam energia, para permitir que os usuários acessem dados sobre as condições de seus ativos e inventário. A empresa também vende middleware e software para gerenciar sensores e dados RFID capturados pelo interrogador. "Tradicionalmente, os CIs de RFID eram o que oferecíamos", diz Hansford, "mas nos últimos três anos crescemos muito".

Três anos atrás, na verdade, foi quando a empresa começou a vender sensores ligados a esses chips RFID e serviços de análise de dados para gerenciar informações dos sensores capturadas pelos leitores. Desde então, a empresa ofereceu seus produtos Smart Passive Sensing para manufatura automotiva, saúde, cadeia de frio e gerenciamento de condições de datacenters.

No caso da fabricação automotiva, as etiquetas Axzon RFM2110 estão sendo colocadas nos veículos antes do conjunto interno e de acabamento, antes da lavagem de alta pressão. "Tem havido uma variedade de métodos para encontrar vazamentos" que podem vir com a montagem de um carro novo, explica Hansford. Estes incluem a abertura do veículo após uma lavagem a pressão e inserção de sondas nos cantos, ou usando uma luva branca para procurar umidade.

A maior preocupação, segundo a empresa, são vazamentos pequenos ou médios que poderiam passar despercebidos. Com o tempo, esses vazamentos podem levar à imersão de cabos e eletrônicos localizados sob a espessa espuma do carpete, por exemplo, que podem causar danos ao interior do veículo ao longo do tempo. Na verdade, diz Hansford, cerca de 3% dos novos veículos saem da linha de montagem com um vazamento potencialmente prejudicial.

As tags de sensor da Azxon vêm com um circuito no chip que transforma o valor de temperatura de um produto em um número de 12 bits. Os leitores RFID UHF disponíveis no mercado que interrogam essas tags podem receber seus dados, juntamente com o número de identificação exclusivo de cada tag, e usam o software da empresa para converter o número de 12 bits em uma leitura de temperatura de -40 a +85 graus Celsius. Em ambientes industriais, observa a empresa, o sistema registra temperaturas de até 125 graus Celsius (257 graus Fahrenheit).