RFID Noticias

Milhares de sobreviventes usam ajuda por RFID

O Bear Grylls Survival Challenge usará uma solução RFID UHF para acompanhar participantes por campos minados e pântanos

Por Claire Swedberg

9 de abril de 2018 - Após o primeiro do que pode se tornar uma série de provas anuais de resistência, o Bear Grylls Survival Challenge, in Santa Clarita, nos Estados Unidos, usará tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) UHF para acompanhar o nível de condicionamento físico e resistência de cada participante durante desafios tão amplos quanto subir colinas íngremes, explorar minas e comer proteínas misteriosas.

Corridas tradicionais, como triatlon ou maratonas, acompanham a velocidade de um indivíduo com base no tempo em que começa a corrida e quando cruza a linha de chegada. O Survival Challenge, no entanto, não é apenas velocidade, mas também desempenho dos concorrentes em uma variedade de desafios, alguns em locais muito remotos. Para gerenciar a pontuação de cada desafio, o evento exigia um sistema que utilizasse tecnologia que pudesse se adaptar às mudanças. A solução foi fornecida pela empresa de tecnologia de eventos de fitness SweatWorks.

Cada participante recebe uma pulseira à prova d'água com uma tag RFID UHF
O desafio de sobrevivência, programado para 28 a 29 de abril, cobrirá aproximadamente 4 milhas de área no Blue Cloud Movie Ranch, em Santa Clarita. O evento foi projetado de acordo com os desafios da sobrevivência e entretenimento da Bear Grylls e deve atrair 6 mil participantes. A sobrevivência competitiva ao ar livre testará a força mental e física, assim como o instinto e desenvoltura de cada participante.

No dia da corrida, todos os participantes receberão um Pacote de Sobrevivência Echo-Sigma, contendo itens como uma bandana, um saco plástico e outras ferramentas de sobrevivência. Os participantes competirão em uma jornada off-road por 18 desafios únicos em cinco ambientes diferentes: uma estrada apocalíptica, um complexo de cavernas, uma aldeia deserta, uma subida e descida de montanhas e um pântano.

Começando com a estrada pós-apocalíptica, os atletas devem percorrer uma série de "encontros misteriosos" em túneis e marchar através do país deserto, através de uma aldeia devastada pela guerra sob fogo inimigo e através de um campo minado. Os desafios do Mission Everest fazem subir uma subida íngreme, então precisam limpar e consumir uma "fonte de proteína inesperada", cruzar um pântano e finalmente receber sua pontuação de sobrevivência. Para rastrear os indivíduos em um determinado momento, quando derem um passo em falso, como pisar em uma mina virtual, o sistema usa a tecnologia RFID da SweatWorks.

Fundada em 2012, a SweatWorks é uma agência digital criativa com sede na Virgínia que cria o que chama de "produtos interativos inovadores". Na verdade, diz Mohammed Ibqal, fundador e CEO da SweatWorks, a empresa se tornou uma empresa de tecnologia líder no setor de fitness. Seus produtos são usados em academias, em produtos de fitness pessoais e em corridas e eventos CrossFit. Iqbal diz que a empresa usa RFID não apenas para monitorar tags, como quando um atleta cruza uma linha de chegada, mas também para melhorar a própria experiência do evento. Com muita frequência, explica, a RFID é simplesmente parte de um sistema de cronometragem. "No final do dia", afirma, "somos uma agência que desenvolve aplicativos e experiências".