RFID Noticias

Gêmeos digitais agregam valor a dados RFID e IoT

A PACCAR está usando um modelo digital duplo para gerenciar a manutenção e o reparo de alguns motores, criando uma versão virtual de um mecanismo

Por Claire Swedberg

6 de abril de 2018 - Os sistemas baseados em identificação por radiofrequência (RFID) e Internet of Things (IoT), sem fio ou com fio, têm coletado dados de localização e sensoriamento há anos. No entanto, um desafio contínuo tem sido como gerenciar o crescente volume de dados acumulados. Em alguns casos, as soluções para gerenciar esses dados ficaram muito aquém das capacidades de hardware para coletá-las.

Uma das maneiras pelas quais as empresas estão usando os dados de RFID, soluções de sistema de localização em tempo real (RTLS) e IoT é criar réplicas de ativos reais - conhecidos como gêmeos digitais [digital twins] - para que possam ser medidos ou colocados em teste, virtualmente. O conceito de gêmeos resultou da riqueza de dados gerada pela transmissão sem fio de sensores e localização.

David McCarthy, da Bsquare
Ao aproveitar uma representação digital de um ativo físico, os usuários podem obter informações que podem ajudá-los a testar respostas comportamentais às condições ou prever falhas. É o próximo passo, dizem alguns analistas, para entender e gerenciar os vastos volumes de dados que vêm dos sensores via transmissões RFID ou outras formas de comunicação sem fio.

A tecnologia de gêmeos digitais está sendo empregada mais recentemente para melhorar a manutenção e o reparo preditivos, embora possa cruzar várias indústrias e setores de mercado, diz David McCarthy, diretor sênior da empresa de software IoT Bsquare, que oferece uma solução para clientes do setor industrial conhecida como DataV. A Bsquare se concentrou por várias décadas em trazer inteligência para ativos físicos, primeiro como dados de máquina a máquina. Ao longo do ano passado, os clientes da empresa usaram sua pilha de software DataV para prever falhas e capturar diagnósticos baseados em dados.

Um gêmeo digital pode ser usado para configurar expectativas de desempenho de linha de base e comparações em tempo real com outros dispositivos, explica McCarthy. Ao criar este dispositivo virtual, com base nos dados dos sensores das coisas reais, os usuários podem entender melhor como o equipamento deve estar se saindo. Isso permite aos usuários prever com precisão quando a manutenção pode ser necessária, quando uma falha é iminente e quais condições são mais favoráveis para a operação de um dispositivo.

A PACCAR está usando a solução da Bsquare para criar versões digitais de seus equipamentos para criar cenários de reparo. A empresa pode criar um master contra o qual os motores ou peças reais podem ser comparados. Os dados estão sendo coletados de sensores aplicados a motores. Quando as informações são recebidas no sistema DataV, são correlacionadas e comparadas com as condições sob as quais o mecanismo pode operar. Um mecanismo típico, sob condições específicas, pode ser criado no software.