RFID Noticias

GS1 propõe relacionar códigos de barras, QR e RFID

Grupo de trabalho está planejando novas especificações para gerenciar dados de um produto, em um único local, via NFC, RFID ou códigos de barras

Por Claire Swedberg

13 de março de 2018 - A organização de padrões globais GS1 criou um grupo de trabalho para desenvolver uma especificação que permita uma única identidade na web para cada etiqueta de produto , seja código de barras 2D, QR Code, etiqueta Near Field Communication (NFC) ou etiqueta RFID UHF, ou qualquer combinação dessas tecnologias. A especificação permitiria o acesso a um Número de Item de Comércio Global (GTIN) para transações de ponto de venda (POS), bem como para rastreamento de estoque, informações voltadas para o consumidor e outros fins com um endereço web exclusivo para cada item.

A empresa de software EVRYTHNG tem um co-presidente no Grupo de Trabalho específico para desenvolver o que chama de URI GS1 (Uniform Resource Identifier). Ao mesmo tempo, lançou a sua ferramenta online QuickStart, que pode ser usada com o novo padrão proposto para criar identidades digitais de produtos a serem acessados e gerenciados por uma variedade de partes interessadas, desde consumidores até marcas e revendedores. Além disso, pode acomodar uma varredura de código de barras simples em um ponto de venda, bem como varreduras de códigos NFC ou QR. Isso, diz Niall Murphy, CEO da EVRYTHNG, permite o acesso automático ao conteúdo digital em todas as tecnologias.

Niall Murphy, da EVRYTHNG
A EVRYTHNG diz que essa especificação permitirá que os proprietários de marcas usem códigos de barras 2D ou códigos QR, bem como tecnologia NFC, para permitir a varejistas, distribuidores, sistemas POS e consumidores acessar uma única fonte de dados para múltiplos propósitos.

Atualmente, cada rótulo de código de barras vem com um GTIN para ser identificado de maneira exclusiva por um scanner no ponto de venda. No entanto, se lojas, marcas ou fabricantes desejassem realizar mais, exigiriam mais rótulos e poderiam acabar coletando e gerenciando dados em plataformas separadas. Por exemplo, os códigos NFC e QR permitem que os consumidores usem seus dispositivos móveis para acessar informações como ingredientes de um item alimentar, coletar pontos de fidelidade ou obter a prova de autenticação. A RFID UHF, por outro lado, fornece às marcas e revendedores visibilidade do inventário, mas os consumidores não conseguem acessar essa informação. Uma empresa pode querer autenticar seus produtos com uma tag, enquanto outra pode ser usada para fornecer conteúdo digital aos consumidores.

Com o padrão proposto, diz Murphy, uma única etiqueta poderia realizar todas as tarefas acima mencionadas. Se um scanner de código de barras está sendo usado no ponto de venda, um código QR está sendo escaneado ou uma etiqueta NFC está sendo lida, o rótulo responderia, ligando o usuário a um endereço da Web a partir do qual o scanner ou leitor poderia extrair o identificador GTIN. Isso forneceria os dados necessários para essa transação específica.

Portanto, um único rótulo com uma tag NFC incorporada ou com um código QR, por exemplo, pode ser usado não só para obter informações sobre um produto, mas também para permitir uma compra. Os códigos QR são consideravelmente menos dispendiosos do que as tags NFC, enquanto os últimos têm a vantagem de serem incorporáveis, uma vez que não exigem que uma linha de visão seja digitalizada.

Um consumidor, por exemplo, simplesmente digitalizaria o código QR ou a etiqueta NFC com seu smartphone para acessar um endereço da web para esse item do produto, o qual incluiria o GTIN e o identificador exclusivo desse produto. A página da web para o item forneceria um serviço no telefone celular do usuário final, para fazer um pagamento.