RFID Noticias

Cadeia de varejo mantém alimentos frescos

A polonesa Eurocash está implantando sistema RFID em 200 armazéns e outros sites, para garantir a qualidade dos produtos e evitar o desperdício

Por Claire Swedberg

7 de abril de 2017 - A varejista europeia de alimentos Eurocash Group está implantando uma solução RFID ativa para gerenciar as temperaturas de seus refrigeradores em lojas e armazéns poloneses. Quando estiver totalmente instalado, o sistema fornecido pela Blulog, incluirá sensores sem fio implantados em 200 armazéns e outros pontos de distribuição em toda a Polônia. A tecnologia monitorará as temperaturas de todos os produtos da empresa, como secos, frescos e congelados, à medida que se deslocam pela cadeia de suprimentos para as lojas e, em última instância, para os consumidores. O sistema pretende garantir um elevado nível de qualidade dos produtos, minimizando perdas resultantes de alterações de temperatura.

A Blulog, empresa de tecnologia de monitoração de temperatura com sede em Poznań, faz com que os registadores de dados (data logger) que utilizam tecnologia sem fios, incluindo UHF ativos, transmitam dados de sensores a um servidor. A Eurocash foi uma das primeiras clientes da Blulog quando a empresa foi fundada em 2014, diz Jérémy Laurens, CEO da Blulog.

Data logger NFC UHF da Blulog
A implantação ocorreu em várias fases. Inicialmente, a Eurocash testou vários dos registradores de dados da Blulog em um único depósito, depois começou a desenvolver a tecnologia para outros sites também. Os data loggers inicialmente transmitiam para hubs ligados a um computador através de um cabo USB. Em 2015, o Blulog fez a transição para registradores ativos habilitados para UHF que transmitem para um gateway sem fio alimentado por Ethernet.

No ano passado, a empresa começou a oferecer gateways baseados em Wi-Fi que poderiam enviar dados diretamente para o software Blulog residente na nuvem. Como Laurens explica, "a ideia era simplificar a instalação nos locais que, por esta época, também incluiu várias delicatessens que vendem produtos Eurocash".

No final de 2016, o Eurocash assinou um contrato para lançar a tecnologia em 200 sites. Cada armazém normalmente vem com duas grandes salas frigoríficas, uma para refrigeração e uma para produtos congelados, bem como outra grande área para armazenar produtos secos.

A varejista espera gerenciar melhor as condições às quais seus produtos estão expostos. Isso ajudaria a empresa a garantir que os problemas sejam resolvidos imediatamente e que saiba definitivamente se um determinado produto precisa ser descartado.

"O desafio mais importante que podemos superar é eliminar o fator humano", diz Karol Maćkowiak, chefe de departamento de qualidade da Eurocash. O uso de humanos para coletar e verificar temperaturas não só é demorado e intensivo para a mão-de-obra, observa, mas também está sujeito a erros. Além disso, simplesmente não pode ser feito sempre que um sistema automatizado fornecer dados. "A temperatura de transporte ou armazenamento de alimentos é um dos parâmetros que eu gostaria de fornecer ao mais alto nível possível, como 100%", afirma Maćkowiak.