RFID Noticias

Empresa rastreia peças de aeronaves em fabricação

Uma solução baseada em sensores monitora o trabalho em andamento nos motores e poderá automatizar atividades no futuro

Por Claire Swedberg

29 de setembro de 2016 - A fábrica de San Diego, nos Estados Unidos, da Meggitt Polymers & Composites (MPC) está dando o próximo passo no uso de tecnologias de identificação por radiofrequência (RFID) e Internet das Coisas (IoT) com uma implantação que emprega dados de sensores para ganhar visibilidade sobre o trabalho em andamento (WIP ou work in process) e sobre a condição dos materiais de fibra de carbono utilizados durante a fabricação. A fábrica passou mais de um ano usando RFID para rastrear os movimentos de produtos que fabrica até o transporte. Agora pretende expandir sua implantação RFID para monitorar o prazo de validade das matérias-primas sensíveis à temperatura antes de serem aquecidas e pressionadas durante o processo de fabricação de componentes. A empresa inicialmente usou a tecnologia para rastrear a produção de um tipo de componente de aeronaves, mas agora expandiu.

A solução usa RFID UHF e também fios e Wi-Fi, com sensores de temperatura e umidade, na plataforma de Internet das Coisas da empresa GlobeRanger .

Em suas duas fábricas, a MPC San Diego instalou 18 leitores e antenas Impinj R420 nas entradas, ao lados das portas
A planta de San Diego da MPC faz componentes de fibra de carbono para motores de aeronaves, incluindo bicos de escape com características aerodinâmicas, além de componentes de estruturas de mísseis. Ao todo, fabrica cerca de 17 produtos diferentes. A planta produz 3 mil peças por mês, diz Daron Giles, gerente do sistema de informação, e cada peça é de alto valor e de trabalho intensivo. Existem dezenas de estações de trabalho por onde os produtos passam e cada produto exclusivo tem a sua própria série de estações através das quais deve passar antes de ser concluído e enviado para um cliente.

Um dos clientes da fábrica, que produz os motores para o jato F-35 Joint Strike Fighter (JSF), havia solicitado para a MPC San Diego fornecer um relatório semanal de WIP em relação aos seus componentes solicitados, a fim de garantir que os requisitos de entrega fossem atingidos. As contagens de peças necessárias para este relatório foram lentas para executar manualmente. A MPC San Diego procurou então um método mais automático de realizar o seu trabalho e uma maneira de fazer o rastreamento de cada peça que se movia através do processo de fabricação.

A empresa começou a realizar uma extensa pesquisa sobre a tecnologia RFID há vários anos, diz Giles, incluindo a leitura de artigos do RFID Journal e falando com os fornecedores de RFID. A partir de uma lista de fornecedores parceiros, como a Impinj, selecionou a GlobeRanger. "Fui atraído pela maturidade da oferta", explica, "e eles ofereceram um sistema off-the-shelf com o qual poderiam criar o aplicativo que fosse necessário. A minha experiência é comercial e sendo off- the-shelf oferece o benefício de aplicar os aprendizados anteriores". Ao optar por esse sistema, nota Giles, a MPC San Diego seria capaz de economizar tempo e custos que seriam necessários para construir uma solução personalizada a partir do zero.

A GlobeRanger começou a trabalhar para personalizar seu sistema iMotion para atender às necessidades da MPC San Diego, de acordo com Mark Brown, diretor de desenvolvimento de negócios da GlobeRanger.