RFID Noticias

Ônibus se dirigem à operação autônoma

Agências de trânsito estão começando a confiar em redes de Internet das Coisas para melhorar a segurança e oferecer transporte com eficiência energética

Por Mary Catherine O'Connor

2 de setembro de 2016 - Em junho de 2016, Columbus, nos Estados Unidos, venceu seis outras cidades finalistas entre 87 candidatas no desafio Smart City Challenge, uma iniciativa do U.S. Department of Transportation (DOT) que atraiu cidades para fazer melhorias significativas em seus sistemas de transporte público dando ao vencedor US$ 40 milhões em financiamento. O DOT quer estimular as relações entre as cidades e os fornecedores de tecnologia que vão melhorar a segurança e a eficiência do trânsito. Em outras palavras, integrar novas tecnologias ao transporte público, acrescentando GPS para ônibus e, em seguida, aplicativos para smartphones.

As agências de transporte público estão começando a testar e implantar tecnologia vehicle-to-infrastructure (V2X), que se refere à comunicação entre dois veículos ou entre um veículo e a infraestrutura (como um dispositivo de rádio de curto alcance anexado a um poste de luz), assim como a utilização de sensores que monitorem o ambiente em torno de um veículo e interagem com os sistemas de controle na nuvem.

Os veículos autônomos Olli podem viajar a velocidades de até 35 milhas por hora
As agências de trânsito estão aproveitando essas tecnologias para suportar aplicações de segurança e eficiência, como a prevenção de colisões, roteamento otimizado e consumo eficiente de combustível. Todos esses casos de uso estão convergindo para o uso de serviços de transporte de autônomos, o que poderia ajudar as agências de trânsito a resolver um problema complicado: a "última milha" entre centros de trânsito e destinos populares, como campus corporativos, centros governamentais e comerciais ou universidades. Porque rotas para esses locais são adequadas ao serviço de transporte autônomo, projetado para viagens lentas e curtas.

A Local Motors, uma startup de oito anos de idade, recentemente estreou o Olli, um veículo elétrico autônomo que pode viajar a até 35 milhas por hora. Os primeiros Ollies foram lançados neste ano para um projeto piloto no distrito National Harbor, em Washington, DC.

Uma empresa holandesa chamada WEpods está desenvolvendo um serviço de transporte similar para uso na Europa.

Para desenvolver o Olli, a Local Motors em parceria com a Meridian Autonomous, que usa LiDAR para mapear a rota que um serviço de transporte irá conduzir e no mapa designa prédio e marcos que o sistema operacional do transporte irá usar para orientar-se enquanto se move pela rota. O Olli emprega a capacidade cognitiva de computação baseada em nuvem do IBM Watson para coletar dados de mais de 30 sensores embutidos no veículo. Uma série de sensores LiDAR, integrada ao corpo do veículo, irá enviar um sinal de parada para o motor, se for detectado um obstáculo no caminho do veículo.

Ainda será necessário algum tempo antes de grandes ônibus de transporte público serem conduzidos de modo autônomo em rotas diferentes ao longo de seus ciclos de vida. Mas a Mobileye, uma empresa israelense fundada em 1999, está trazendo sua tecnologia computer-vision, que alguns fabricantes usam para permitir características de condução autônoma, para agências de trânsito.

A Mobileye irá fornecer a Columbus sua tecnologia de assistência à segurança, que usa câmeras e visão por computador para ajudar os motoristas de ônibus a evitar colisões com ciclistas, pedestres e motociclistas.