RFID Noticias

IoT pode ajudar no combate ao Zika vírus

Consultoria em Internet das Coisas (IoT) está trabalhando para implantar projeto de microscopia digital e acelerar as atividades de triagem do vírus

Por Mary Catherine O'Connor

2 de junho de 2016 - Pense em uma imagem digital que é do tamanho de uma mesa de jantar. Agora, considere digitalizar a imagem para uma cor ou padrão particular. Há uma grande quantidade de espaço para pesquisa neste segmento. Mas o indivíduo que analisa a imagem não precisa estar presente em uma sala de jantar.

Assim é como Deepak Puri, arquiteto-chefe de soluções de uma empresa de consultoria de San Francisco chamada Skilled Analysts, explica patologia digital. O que sustenta este processo é a microscopia virtual, tecnologia que permite que um patologista visualize remotamente sangue ou tecido de amostra sobre uma lâmina de vidro em um microscópio que cria uma imagem de alta resolução, que é então guardada na nuvem.

Os microscópios digitais necessários para este processo são extremamente caros e seu uso requer acesso confiável à internet de banda larga, para que a imagem completa (toda a mesa da sala de jantar, como mencionado acima) possa ser acessível. No outro extremo do espectro de tecnologia estão as lentes de zoom baratas que podem ser conectadas a um smartphone para capturar uma imagem do slide. Mas o detalhe das imagens pode ser inadequado para um patologista em um local remoto para fazer um diagnóstico.

Assim, Puri e sua equipe vêm desenvolvendo uma terceira opção: um retrofit. Começando com um microscópio convencional usado pelos técnicos de laboratório médico, com motores controláveis pela Internet no botão usado para ajustar a lente (que aumenta a imagem), bem como um identificador utilizado para posicionar a corrediça. A equipe também montou uma câmera digital de alta resolução controlável através da internet também. Ao ligar estas três partes do microscópio numa plataforma baseada em nuvem por uma rede celular (assumindo que uma rede desse tipo esteja disponível no local remoto), um patologista em alguma outra parte do mundo pode controlar o microscópio, tirar fotos digitais da amostra e atribuir um diagnóstico.

O aspecto mais difícil, segundo Puri, vem dos controles baseados na web que sejam precisos o suficiente para permitir o ajuste fino que um patologista requer. "Mover as lentes do microscópio é uma operação delicada", afirma.

Inicialmente, a equipe desenvolveu o microscópio protótipo adaptado para uso em aldeias indígenas, de modo que as clínicas poderiam chamar patologistas em cidades distantes e tê-los examinando amostras e fornecendo diagnósticos remotamente. Agora, no entanto, Puri e sua equipe estão também estendendo a mão para ajudar as agências e clínicas em partes do mundo onde o vírus Zika está emergindo.

Se a equipe pode fazer parceria com organizações de ajuda e financiamento de identidade, eles serão capazes de acelerar microscópios de produção e de navios adaptados ao protótipo para partes do mundo onde os trabalhadores de saúde pública estão lutando para melhorar as suas capacidades para diagnosticar o vírus Zika rapidamente. Nessas áreas remotas, o diagnóstico de Zika é atualmente possível somente por patologistas trazendo espécimes ou pelo transporte desses espécimes a patologistas, um processo que pode adicionar um atraso de vários dias antes que um diagnóstico possa acontecer. Além do mais, os espécimes podem ser perdidos ou danificados durante o transporte.

Puri diz que ele e seus colegas estão trabalhando em uma simulação baseada em navegador que "permitirá aos usuários experimentar o microscópio de que é criado em um laboratório na Índia, com uma amostra de sangue em um slide. O usuário poderão controlar as funções do microscópio por um navegador web ".

O RFID Journal vai continuar acompanhando o progresso dos analistas qualificados nos seus esforços para combinar com seu protótipo com clínicas procurando maneiras para responder ou chegar à frente da epidemia de Zika.

  • « Anterior
  • 1
  • Próximo »