RFID Noticias

Disney estuda maneiras de robotizar brinquedos

Laboratório da empresa testa sistemas RFID para permitir que robôs identifiquem indivíduos e para acompanhar interações diárias entre pessoas e coisas

Por Claire Swedberg

23 de maio de 2016 - A Disney Research, divisão da Walt Disney Co. , publicou recentemente uma série de trabalhos de pesquisa que descrevem novas utilizações da identificação por radiofrequência (RFID) e tecnologias relacionadas. Estes projetos poderiam um dia ajudar a empresa a criar robôs capazes de identificar os indivíduos e suas interações diárias com as coisas.

Alanson Sample, cientista de pesquisa na Disney Research, descreveu os projetos na conferência e exposição RFID Journal LIVE! 2016, realizada no início de maio em Orlando, nos Estados Unidos.

Usando o sistema ID-Match, um robô autônomo que hospeda um jogo de quiz interativo pode identificar com precisão cada um dos cinco participantes humanos
Os autores de um tal trabalho de pesquisa descrevem um sistema protótipo chamado ID-Match, que usa tecnologia passiva RFID UHF para facilitar o que eles chamam de "interações naturais" entre humanos e robôs. O grupo tem encontrado, por meio da pesquisa laboratorial e testes, uma solução híbrida de visão-por-computador e RFID que pode ser empregada para permitir que um robô autónomo identifique e localize rapidamente os indivíduos dentro de um grupo, permitindo assim uma interação natural e personalizada.

Alanson Sample
RapID, um dos outros três projetos da Disney Research descrita em estudos recentemente publicados, utiliza RFID passiva para criar, dispositivos de detecção sem fio de baixo custo para aplicação em jogos. Um terceiro projeto, conhecido como PaperID, discute métodos para rastrear como os indivíduos se movem ou tocam uma peça com a etiqueta de papel, incluindo a gravação de respostas obtidas ou marcadas por meio de uma caneta especial. O quarto projeto, EM-ID, enfoca os padrões únicos de ondas eletromagnéticas (EM) emitidas por dispositivos eletrônicos, e também explora como os sinais de EM podem ser usados para identificar cada dispositivo eletrônico, como um smartphone, um laptop ou um brinquedo sabre de luz, de modo que as etiquetas RFID ou códigos de barras não sejam necessários. Em vez disso, os pesquisadores mediram as emissões únicas EM de cada objeto eletrônico, a fim de identificá-los.

A Disney Research consiste em três laboratórios, localizados em Los Angeles, Pittsburgh e Zurique, que compreende 230 pesquisadores principais e 60 funcionários e estudantes de pós-doutorado. A pesquisa RFID está em andamento no laboratório de Pittsburgh, mas os quatro projetos também foram o resultado de colaborações com cientistas do Massachusetts Institute of Technology (MIT), the University of Washington e Carnegie Mellon University.