RFID Noticias

Fábricas de aviões gerenciam pequenas peças

Sistema RFID foi projetado para ajudar os trabalhadores a identificar facilmente quais caixas exigem reposição, garantindo disponibilidade total

Por Claire Swedberg

23 de março de 2016 - Controlar pequenas peças utilizadas na fabricação de aviões é uma tarefa que exige esforço por parte de fornecedores e também fabricantes para garantir que esses itens estejam sempre disponíveis. Em algumas fábricas, fornecedores de peças despacham o pessoal para determinar o que está em estoque, enquanto alguns fabricantes de aviões têm os seus próprios empregados realizando contagem de inventário. Em ambos os casos, o processo é tipicamente visual ou em conjunto com verificações de código de barras, sendo demorado e conduzindo a erros.

A Supplier City Solutions (SCS), uma empresa de tecnologia com sede na Flórida, Estados Unidos, desenvolveu uma alternativa baseada em identificação por radiofrequência (RFID) para enfrentar estes desafios. A empresa tem fornecido software para a cadeia de fornecimento aeroespacial – fabricantes e fornecedores – por 30 anos e algumas de suas soluções envolvem o uso de um scanner de código de barras para monitorar as peças pequenas. Essa informação não só garante que as peças não se percam, mas também ajuda as empresas a relacionar os números de lote de um item com a aeronave que está sendo construída. No ano passado, a SCS acrescentou a tecnologia RFID nas suas soluções para automatizar o processo de coleta de informações sobre a cadeia de abastecimento. Desde então, duas empresas aeroespaciais e seus fornecedores já começaram a utilizar a tecnologia para automatizar a coleta de dados a respeito do uso parcial em fábricas.

Um trabalhador usa o leitor portátil Zebra MC3190-Z para identificar quais caixas precisam ser repostas com peças
A SCS também está vendendo uma versão baseada em RFID para líquidos armazenados em recipientes, tais como adesivos líquidos. Ao ler as etiquetas dos recipientes, os usuários podem verificar o que está em um armário específico e as datas de expiração dos produtos. As soluções concentram-se em alternativas de baixo custo para sistemas RFID, já que podem exigir uma infraestrutura fixa de leitores e um investimento em software integrado, diz Jim Grason, CEO da empresa.

A solução de rastreamento de peças baseada em RFID é conhecida como sistema Scan Only bin-replenishment, para parceiros SCS com Hurst Green Plastics, uma empresa britânica que faz o TwinBin – um contêiner kanban com dois recipientes para armazenamento de peças. A SCS fornece um leitor portátil Zebra Technologies MC3190-Z carregado com o software TracerPlus, da Portable Technology Solutions, para gerenciamento de dados de RFID.

Quando o receptáculo da parte inferior está vazio, a de cima se abre automaticamente, deixando cair um segundo lote de peças no contêiner. Ao mesmo tempo, uma comunicação é enviada para avisar que o TwinBin está pronto para ser recarregado. Para conseguir isso, cada caixa vem com duas tags RFID passivas EPC Gen 2 UHF. Uma delas é uma tag blindada Alien Technology Squiggle incorporada em um indicador de reposição visual. O número de identificação único codificado para na tag está relacionado ao recipiente, permitindo aos usuários saber o que precisa ser reabastecido, bem como sua localização.

Alguns usuários finais potenciais expressaram reservas sobre o uso de identificação por radiofrequência (RFID), relata Grason. Com um sistema baseado em código de barras, um trabalhador deve inspecionar e analisar o rótulo de código de barras de cada bin antes de introduzir os dados que indicam se as peças armazenadas dentro desse recipiente exigem reposição. Desta forma, um gerente de fábrica sabia que cada bin foi inspecionado. No entanto, os usuários finais não tinham nenhuma maneira de determinar se uma tag de bin não tinha sido interrogada ou por que o bin ainda tinha peças.

"Os desafios com etiquetas RFID passivas são a faixa de leitura limitada e determinar se todas as tags foram lidas", atesta Grason. "A nossa tecnologia RFID, em conjunto com o uso de indicadores visuais, incluindo o sistema Twinbin, nos permite superar essa questão". A SCS e Hurst Green Plastics resolveram este problema, diz ele, com a instalação de um segundo tag Squiggle a aproximadamente três polegadas da tag blindada no bin. O ID dessa tag é armazenado em software para que o sistema possa esperar um trabalhador ler essa tag cada vez que uma verificação de inventário de peças for realizado e saber com certeza que um compartimento específico foi devidamente verificados, mesmo se o leitor não captar o número de identificação da tag blindada.