RFID Noticias

Brasil usa tecnologia para controlar estoques de café

As etiquetas de identificação por radiofrequência (RFID) servem para acompanhar a entrada, armazenagem e saída de mercadorias na Coopercam, em Minas Gerais

Por Edson Perin

6 de janeiro de 2016 - A tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) está sendo utilizada para controlar automaticamente os estoques de café da Cooperativa dos Cafeicultores de Campos Gerais e Campo do Meio Ltda (Coopercam), que abrange também produtores rurais de leite e outros produtos agrícolas e pecuários. A cooperativa está localizada em Campos Gerais, sul de Minas Gerais, município com elevado número de pequenas propriedades e produção anual de 600 mil sacas de café, segundo a cooperativa.

De acordo com Hendrix Brasiliense, sócio da Brasilsync, empresa que realizou a integração dos sistemas com RFID, a Coopercam ganhou em agilidade de processos, com redução do tempo para execução de tarefas relacionadas ao armazenamento de café, redução de custos, informações da real situação dos tipos de grãos disponíveis e em uma plataforma web, de fácil acesso. “Os gestores acompanham tudo o que acontece dentro do armazém”, diz Brasiliense. “Desta forma, a RFID mostrou-se uma solução viável, que melhorou os processos e trouxe mais confiabilidade na execução das tarefas”.

Empilhadeira com bag de café identificado por RFID deposita a mercadoria no local correto
Assim que o café chega para ser armazenado, o conteúdo da bag passa a ser relacionado à tag, identificando o item e o seu endereçamento no local de estoque, informações que são gravadas no sistema. “Essa informação segue por Wi-Fi em tempo real”, diz.

As tags (etiquetas) de RFID servem para mapear cada endereço de localização dos armazéns de bags com café e as próprias bags. “As tags usadas para o gerenciamento de localização geram a informação no mapa do armazém”, explica Brasiliense. “Nas bags existe uma bolsa onde colocamos a tag que vai identificar o item. Então, quando o café é descarregado e encaminhado para a bag, todo o processo tornou-se automático”. As pilhas de bags do armazém têm identificações no solo, que são lidas pelas empilhadeiras. Se uma bag for colocada em local errado, o sistema avisa o condutor do veículo, por uma tela em seu painel, que então tem de recolocar o produto no endereço indicado.

O sistema RFID realiza toda a leitura dos armazéns, facilitando os processos de embarque e localização dos lotes de café, pois o sistema permite o mapeamento do armazém e ter uma visão gráfica da posição de cada bag em tempo real. As opções de filtro facilitam a busca por um determinado tipo de padrão de café, quanto aos seus aspectos. “Outra questão que facilitou bastante”, diz Brasiliense, “foi com relação aos cafés que são certificados, sendo possível localizar de forma visual através do sistema o posicionamento dentro do armazém, agilizando a auditoria”.