RFID Noticias

Usina nuclear garante segurança a trabalhadores

O sistema RFID UHF instalado na chinesa Qinshan permite, por exemplo, confirmar que todos os trabalhadores deixaram uma área de risco em uma emergência

Por Claire Swedberg

9 de dezembro de 2015 - A Qinshan Nuclear Power Plant, parte da China National Nuclear Corp., implantou um sistema RFID passivo UHF para identificar os locais de milhares de trabalhadores, de acordo com a zona, bem como ajudar a localizar os indivíduos em caso de uma emergência e impedir que ninguém entre nas áreas não autorizadas. Desde a instalação da solução no ano passado, a empresa também tem verificado as horas dos trabalhadores, de acordo com a Sun International, fornecedora do sistema.

A Qinshan, localizada a 100 km de Xangai, é uma das maiores usinas de energia nuclear no mundo, com nove reatores espalhados por uma área de 10 quilômetros quadrados. Em um dia típico, cerca de 7.000 trabalhadores e empreiteiros estão no local a todo momento.

Yaojun Sun
Os regulamentos chineses, ditados pela National Nuclear Safety Administration (NNSA), exigem que as instalações nucleares acompanhem as localizações dos indivíduos em seu site durante uma evacuação. Isto tem sido realizado usando um processo manual com papel e caneta. Centenas de trabalhadores servem como gestores de emergência, cada um designado para supervisionar um ponto particular. Em cada ponto de montagem, trabalhadores da área se reúnem para ser contabilizados e escoltados para fora das instalações a bordo do ônibus. O gerente de emergência escreve o nome de cada indivíduo ou verifica fora da lista. Este processo é lento e sujeito a erros.

A Sun International, empresa com escritórios nos Estados Unidos e China, foi fundada há 20 anos para fornecer software de telecomunicações, mas, em 2009, introduziu a tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) em seu portfólio. A empresa foca em soluções para usinas de energia nuclear inteligentes, diz Yaojun Sun, fundador e CEO da Sun International.

A empresa pesquisou e desenvolveu a solução para vários anos em casa, antes de realizar alguns testes no Qinshan Usina Nuclear em meados de 2013. O local tem quatro usinas separadas, e o sistema foi implantado permanentemente em um desses locais, em outubro de 2014; desde então tem sido expandido para todas as quatro plantas.

Cada planta contém de quatro a cinco zonas, cada uma medindo até um quilômetro quadrado. Para a implantação inicial na primeira planta, a Sun International instalou 30 leitores Impinj R420 em locais-chave, tais como entradas de zona e áreas de emergência, bem como 100 antenas para assegurar que os números de identificação de etiquetas sejam capturados.

Na concepção do sistema, a Sun International sabia que, se os trabalhadores tivessem crachás RFID UHF, a leitura das tags teria desafios: Por exemplo, um grande número de pessoas podem passar por um leitor simultaneamente e a tag de cada pessoa poderia ser obstruída por outros indivíduos. Além disso, a Qinshan precisava ler as etiquetas das pessoas a pé, mas também em veículos.