RFID Noticias

Blulog lança sistema NFC para medir temperaturas

Um dispositivo a bateria está sendo utilizado em testes com um inlay RFID passivo NFC, que transfere dados de temperatura para smartphones Android

Por Claire Swedberg

5 de novembro de 2015 - Várias empresas de alimentos e farmacêuticas europeias estão testando uma solução Near Field Communication (NFC) que monitora temperaturas pelo sistema da startup polonesa e francesa Blulog, que permite aos funcionários e clientes acessar os históricos de temperatura dos produtos na cadeia de abastecimento fria, por meio de seus smartphones Android. A solução apresenta um datalogger de temperatura alimentado por bateria que pode ser colocado na parte traseira de um caminhão ou num recipiente ou embalagem. Quando os produtos chegam ao seu destino, pode-se usar um smartphone Android com o app Blutag, da Blulog, para baixar os dados do sensor. A Blulog também oferece um leitor NFC RFID para telefones Android sem NFC.

Em maio deste ano, a Blulog enviou pela primeira vez amostras de seus dataloggers NFC para cerca de 50 empresas europeias nos mercados farmacêutico, alimentício e de logística. A tecnologia está atualmente sendo testada pela Eurocash, uma cadeia nacional de varejo de alimentos da Polônia, bem como por um fabricante de sorvetes.

O logger de temperatura NFC da Blulog, do tamanho de um cartão de crédito, usa bateria para registrar temperaturas e um inlay RFID passivo NFC e para acessar os dados
A Blulog foi fundada por quatro engenheiros e por uma variedade de fundos de tecnologia, mas estavam todos interessados em tornar os dados baseados em sensores fáceis de se recolher por um telefone móvel. O grupo viu uma grande oportunidade para soluções de rastreamento de temperatura sem fio com baixo custo e fácil de instalar, diz Jérémy Laurens, diretor vendas e marketing da empresa. Muitos dataloggers tradicionais exigem um computador e uma conexão USB para extrair um relatório em PDF sobre temperaturas capturadas. Além do mais, as etiquetas RFID passivas tendem a ter capacidade de memória limitada e sistemas baseados em RFID ativas que oferecem alertas em tempo real e uploads automáticos para a nuvem pode ser caro e complicado para instalar.

Além disso, a tecnologia RFID passiva UHF requer um leitor portátil para capturar dados. O problema com essa opção, diz Laurens, é que os produtos sensíveis à temperatura, tais como frescos ou farmacêuticos, são enviados para todo o mundo e nem sempre os leitores RFID UHF estão disponíveis. Por outro lado, observa ele, a maioria das pessoas tem um smartphone Android habilitado para NFC, no bolso.

Jérémy Laurens
Ao longo dos anos, a empresa desenvolveu uma solução que consiste em uma única tag reutilizável, com memória suficiente para armazenar até 48.000 medições. Quando a solução utiliza um telefone habilitado para NFC, o aplicativo também pode coletar dados de geolocalização no momento da leitura e automaticamente fazer o upload dessas informações por uma ligação de celular. A empresa construiu um protótipo e, no ano passado, começou a oferecer o produto para fins de testes. O registrador de dados baseado em NFC já está disponível comercialmente em todo o mundo, assim como o app Blutag, que pode ser baixado no Google Play.

"A NFC ainda é muito nova para as pessoas, mas todos estão começando a se familiarizar com ela", Laurens diz. "A vantagem da NFC é que você pode ter um dispositivo muito pequeno que usa quase sem bateria"

.

O registrador de temperatura NFC, que mede 2,5 milímetros de espessura e tem o mesmo comprimento e largura de um cartão de crédito, mede temperaturas de -30 a +70 graus Celsius e, em seguida, armazena os dados. A taxa de temperatura de medição pode ser selecionada através do aplicativo Blutag e enviada para o registrador de dados através de uma transmissão NFC. A Blulog também pode pré-programar o dispositivo antes de enviar ao cliente.