RFID Noticias

Camisaria ganha agilidade na manufatura

A confecção Planner de Cianorte (PR), a Cidade da RFID, conseguiu reduzir falhas em processos para um índice próximo de zero

Por Edson Perin

4 de novembro de 2015 - A Camisaria Planner é mais uma integrante de um grupo de fabricantes de roupas de Cianorte (PR), conhecida como a "Cidade da RFID" (leia mais em Cidade da RFID faz bons negócios), que utiliza a tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) para obter vantagem competitiva nos negócios, com redução de custos e aumento de eficiência (leia mais em Confecção reduz gastos com horas extras).

Para a fábrica da Planner, o uso da RFID significou praticamente eliminar o índice de erros nas atividades de manufatura. "Todo o processo, desde a produção, até a expedição, ainda que informatizado, tinha uma considerável margem para erros", explica Diego Sartori Novo, sócio e fundador da companhia. "Com a implantação da RFID conseguimos reduzir esta possibilidade para um número muito próximo de zero".

Diego Novo, da Planner, segura uma tag RFID em uma das camisas de sua coleção
A solução foi desenvolvida e implantada pela iTag, envolvendo um portal fixo RFID, equipado com leitor e antena da Acura Global. As tags que são inseridas nas camisas da Planner utilizam o chip Ucode7, da NXP Semiconductor, e são fabricadas pela iTag.

"O leitor está instalado dentro de um portal que faz todo o procedimento de leitura na entrada e saída das mercadorias", diz Novo, o que favorece o controle da linha de produção e a reposição de materiais para a fabricação das camisas. "E, ainda, nas lojas de varejo estarão sendo implantados módulos de leitura RFID, com um visual compacto e moderno", com o intuito de controlar os estoques e evitar furtos.

Dentre os desafios para implantar a tecnologia com sucesso, Novo afirma que os principais envolveram aspectos relacionados aos seres humanos. "É necessário que sejam implantadas mudanças no hábito e formato de trabalho", completa. As questões culturais, assim como o hábito dos trabalhadores que atuavam sem a RFID, são impactados, mas a avaliação é de que os resultados compensam.