RFID Noticias

Museus adotam tours de áudio com beacon

A Muzze fornece hardware e um aplicativo móvel que tornam mais fácil para os museus disponibilizar conteúdos digitais aos visitantes

Por Mary Catherine O'Connor

10 de setembro de 2015 - Em muitos museus ao redor do mundo, os smartphones dos visitantes estão começando a se tornar parte da experiência cultural e de arte, graças à programação baseada em beacons (tags RFID baseadas em Bluetooth), que transformam cartazes em tours de áudio dinâmicos. Depois de lançar testes beta em quatro museus no ano passado, a Muzze, provedora de turnê de áudio baseada em beacons com sede na Holanda, rapidamente cresceu e agora implantou seu sistema em 40 museus de toda a Europa, principalmente nos Países Baixos. O que torna a Muzze única, de acordo com o co-fundador Richard Lagrand, são a plataforma de software, os modelos de receita e o uso da voz do próprio artistas para gravar os passeios por seu próprio trabalho.

Os usuários podem acessar tours de áudio de uma infinidade de museus a partir de uma única aplicação, poupando-lhes o trabalho de download de um aplicativo diferente para cada local. Além disso, o app Muzze suporta cinco idiomas: inglês, francês, alemão, espanhol e holandês. Um museu que quiser desenvolver um tour na plataforma do Muzze tem dois modelos financeiros para escolher.

Richard Lagrand segurando um beacon
A opção de assinatura começa em € 39 (US$ 60) por mês para um starter kit com três beacons e um microfone, que um funcionário do museu ou o artista cujo trabalho está sendo descrito pode usar para gravar a narração de turismo.

Os museus que querem cobrar dos visitantes para fazer o download dos guias podem escolher a opção de partilha de receitas do Muzze meio a meio. A receita é dividida depois de subtrair os custos administrativos que o Muzze é cobrado quando o usuário paga pelo acesso ao circuito de áudio através de seu smartphone Apple or Android. As taxas da Apple são aproximadamente 30% do preço de compra, afirma Lagrand, enquanto os encargos do Google são de 25%.

O sistema se baseia em sinais recebidos por beacons instalados no ambiente. Esses sinais acionam tours de áudio, com base na proximidade de um usuário de cada beacon, através de um aplicativo móvel em execução no telefone ou tablet do visitante. A Muzze tem até agora implantado beacons feitas pela iKontakt, mas não está obrigada contratualmente a fazê-lo. "Temos uma forte preferência pela iKontakt", Lagrand afirma, "porque nós gostamos de seu software e eles são um bom parceiro".

A Muzze também está começando o beta-teste do uso de notificações push para seus clientes. Independente da opção de pagamento que você escolheu, poderia usar para enviar a um usuário ofertas especiais ou alertas. Sob este cenário, uma empresa de marketing baseada em localização que fornece o serviço, com Muzze atuando como uma ferramenta, iria enviar anúncios baseados em localização para os usuários de aplicativos que optaram por receber notificações.