RFID Noticias

Empresa de logística cria solução e ganha eficiência

A brasileira Pontocom Services desenvolveu, em parceria com a Compway, uma solução integrada de RFID com WMS para administrar estoques de terceiros

Por Edson Perin

9 de setembro de 2015 - A Pontocom Services é uma prestadora de serviços de armazenagem e gerenciamento de estoques, que atende as necessidades logísticas de grandes clientes das áreas de Tecnologia da Informação (TI) e de tecnologia bancária. Em parceria com a Compway Informática, a empresa brasileira desenvolveu uma solução de identificação por radiofrequência (RFID) integrada com o Warehouse Management System (WMS), para administrar estoques de assistência técnica de seus clientes.

Walter Kiwi, diretor da Pontocom Services e professor universitário especializado em Logística, com trabalho de pós-graduação sobre o uso de RFID nesta área, explica que o primeiro projeto foi implantado no estoque central de peças de reposição de um grande cliente no Condomínio Techtown, em Hortolândia (SP) – o cliente não autorizou a divulgar sua marca. "Trata-se de um projeto de administração do estoque de peças de reposição", relata.

Peças passam pelo portal, para serem enviadas para as filiais do cliente, em Hortolândia (SP). O processo compreende conferência e baixa automática dos pedidos no sistema de gestão
A RFID facilitou as atividades de inventário, localização e conferência. "Hoje já estamos usando RFID para alguns itens e o plano é implantar no início do ano que vem para todos, inclusive os considerados críticos. Em 2016, estimamos utilizar 100.000 tags", calcula. "A RFID atendeu todas as nossas expectativas. Além de agilizar diversas atividades rotineiras no estoque, as tags permitem a implantação de outros serviços, como a rastreabilidade dos produtos".

Quando um equipamento de um cliente da empresa de Hortolândia apresenta defeito, um técnico é escalado para o atendimento, identifica a peça a ser trocada e dispara um pedido. Neste momento, entra em operação a área de logística. "O passo seguinte", diz Kiwi, "é abrir uma requisição desta peça em um dos estoques que administramos. Recebendo a requisição, temos tempo curto para a separação, conferência, embalagem e liberação da peça para a transportadora – normalmente, 20 minutos".

A RFID foi implantada no estoque central do cliente em Hortolândia, para agilizar o processo de reposição das peças para as filiais. "Durante o dia, recebemos solicitações de atendimento e encaminhamos para o setor de produção fazer o picking [coleta] destes itens. As mercadorias são separadas em escaninhos por filial. Depois, consolidamos os pedidos de uma determinada filial, passamos pela conferência por RFID e enviamos para o transporte".