RFID Noticias

Empresa testa sistema para controlar acesso a construção

A construtora global Gilbane está usando a tecnologia RFID para registrar quem entra e sai de uma obra com 350 mil metros quadrados

Por Claire Swedberg

23 de janeiro de 2015 - A Gilbane Inc., companhia de negócios imobiliários e construção com mais de 50 escritórios em todo o mundo, está testando uma solução "remote attendance" (presença remota) baseada em RFID para gerenciamento de trabalhadores subcontratados para construção em um canteiro de obras de 350 mil metros quadrados. O sistema não só ajuda clientes da Gilbane (proprietária do site) a identificar cada trabalhador, como também cria um registro eletrônico de quantas horas o indivíduo se dedicou ao trabalhado no local. Controla ainda se essa pessoa representa uma pequena empresa ou vive no local (cada categoria qualifica as questões fiscais). O sistema, fornecido pela empresa de soluções móveis Serialio, consiste de crachás de identificação, contendo uma tag RFID passiva de alta frequência (HF), de 13,56 MHz, e um pequeno leitor, ligados por conexão Bluetooth com um software baseado em nuvem, para controlar quem entra e sai do local, além de quando isso ocorre.

Inicialmente, de acordo com Matt Dragomanovich, gerente de soluções da Serialio, a Gilbane instalou o sistema em apenas um único local de construção, mas, se verificar que o sistema funciona bem nesse local, pretende instalar a mesma tecnologia em outros locais. No local inicial, Dragomanovich diz que a Gilbane também pode adicionar portões fechados com os leitores da Serialio instalados, a fim de proporcionar o controle de acesso para pessoas autorizadas. A Gilbane se recusou a comentar o assunto.

O leitor idChamp RS2 Bluetooth NFC-HF da Serialio e a app Grid-in-Hand Mobile Grade
Para os operadores do canteiro de obras, gerir trabalhadores pode ser uma tarefa complexa, pois exige expedir múltiplas tarefas aos seus operários todo dia, o que envolve ainda uma gama de diferentes empresas e pessoas. Normalmente, cada subcontratante envia ao operador do site uma nota fiscal, com base na documentação apresentada pelos trabalhadores ou recolhida no local. Este processo de rastreamento de empregados e de tempo gasto no local pode ser demorado e passível de erros, pois os dados de uma fatura devem ser verificados com a papelada manuscrita naquele site. O processo torna-se mais complicado quando o proprietário do site precisa provar que uma percentagem de trabalhadores são moradores locais e outros empregados representam micros e pequenas empresas.

Além disso, Dragomanovich afirma que a Gilbane queria que o sistema automatizado poupasse o proprietário do site de ter que atribuir a um membro da equipe a função de ficar no portão verificando cada crachá de identificação e registrando o tempo de chegada ou de partida de cada indivíduo. Pela coleta de dados eletrônica, a Gilbane espera permitir que o proprietário do projeto prove não só que estava no local, mas quando e, assim, garantir os benefícios fiscais do proprietário.

A solução consiste do leitor idChamp RS2 Bluetooth NFC-HF da Serialio montado nas duas portas por onde os trabalhadores entram e saem do local de construção. Cada dispositivo RS2 tem um motor leitor RFIDeas HF incorporada. A Serialio também está fornecendo à empresa 2.000 crachás RFID de identificação do trabalhador HF 13,56 MHz, cada um com um chip NXP Semiconductors Icode, em conformidade com a norma ISO 15693. O único leitor em cada portão vem com a app Grid-in-Hand Mobile Grid da Serialio, para gerenciar os dados recolhidos.