RFID Noticias

Fornecedor de usina nuclear rastreia contêineres

A francesa SPIE Nucléaire está usando leitores de mão RFID para registrar os locais e condições de contêineres de equipamentos, com tags UHF passivas

Por Claire Swedberg

28 de outubro de 2014 - A prestadora francesa de serviços para usinas nucleares SPIE Nucléaire está empregando identificação por radiofrequência (RFID) para localizar contêineres na usina nuclear Centre Nucléaire de Production d' Electricité (EDF CNPE), em Fessenheim, França. A empresa também está criando e gerenciando registros sobre onde esses recipientes estão e também todas as mudanças de estado relacionadas com os níveis de radiação – que devem ser geridos de acordo com os regulamentos.

O sistema, fornecido pela empresa de tecnologia RFID Nexess Solutions, usa tags RFID passivas EPC Gen 2 UHF da Xerafy, reduzindo em 70 por cento o tempo que os funcionários gastam para localizar contêineres e em 80 por cento o tempo utilizado pelos agentes reguladores para preparar relatórios. Isto levou a uma melhoria de 60 por cento na eficiência global dos operadores de empilhadeiras, relata a SPIE, e um ganho de 50 por cento na eficiência de espaço de armazenamento. O sistema entrou em operação no quarto trimestre de 2013.

A SPIE é uma provedora de logística e manutenção de instalações nucleares, incluindo a de Fessenheim, para gerir centenas de grandes contêineres metálicos usados para armazenar ferramentas, suprimentos e equipamentos para o manejo da planta. A tarefa da SPIE inclui garantir que os recipientes podem ser rapidamente localizados pelo pessoal da planta nuclear e agentes de inspeção, e que sejam movidos quando necessário por qualquer das partes.

Um trabalhador da usina nuclear CNPE em Fessenheim, França, usa um leitor portátil Psion para interrogar uma tag ler Xerafy de um contêiner
A SPIE também garante que os contêineres – que são carregados com ferramentas manuais, escadas, equipamentos de elevação e outros itens – estejam em seus locais apropriados. Isso exige que a SPIE trabalhe em estreita colaboração com os gerentes da fábrica para antecipar o uso dos recipientes e os organizar em conformidade. Por exemplo, um recipiente que irá ser necessário no dia seguinte não deve ter outros empilhados em cima dele.

Antes de adotar a solução baseada em RFID, a SPIE rastreia contêineres locais via Post-it que os trabalhadores mudam em um quadro negro na parede do escritório, com uma representação da localização de um determinado recipiente no interior da instalação. Os dados também são geridos em uma planilha Microsoft Excel.

Quando os contêineres necessários precisam ser movidos, os operadores de empilhadeira recebem um pedaço de papel com indicação do número de identificação desses recipientes e locais – ou eles podem receber uma chamada de telefone, se um pedido chegar enquanto eles já estavam se movendo ao redor da instalação. Os inspetores chegam no local com caneta e papel, bem como um dispositivo para medir a radioatividade. Eles, então, anotam a localização de cada recipiente, juntamente com os resultados das medições de radioatividade e dão entrada depois nos dados em um computador compartilhado com a SPIE.

Olivier Ventron, gerente de operação de campo da SPIE, procurou automatizar esse processo. "Eu estava procurando soluções capazes de gerenciar as solicitações de movimentação de contêineres com facilidade e enviar essas solicitações para o agente de logística no campo", diz ele. "A ideia era também de ser capaz de ver, em tempo real, o estado da zona do recipiente de armazenamento".