RFID Noticias

Máquina automática opera venda de comida fresca

Quiosques refrigerados da startup norte-americana PantryLabs identificam sanduíches e outros produtos perecíveis por RFID e ainda acompanham as vendas e os níveis de estoque

Por Claire Swedberg

31 de julho de 2014 - Após dois pilotos realizados em hospitais de São Francisco, nos Estados Unidos, a PantryLabs começou a vender sua máquina refrigerada de vendas automáticas, conhecida como Pantry, para permitir que empresas como centros de saúde, restaurantes e outros estabelecimentos ofereçam alimentos frescos. A Pantry tem um leitor de RFID para rastrear os itens armazenados no seu interior por meio de tags inseridas nas embalagens dos alimentos. A empresa inicialmente tem 1.000 quiosques para pré-encomendas.

A PantryLabs desenvolveu a solução que permite aos usuários monitorar o estoque de alimentos dentro das máquinas de venda, exibir alertas para reabastecê-las, evitar que os produtos saiam de estoque e, assim, garantir as vendas. Os clientes da PantryLabs "querem estender o alcance do ponto de serviço", diz Art Tkachenko, CEO da PantryLabs. Embora possam vender alimentos frescos para os trabalhadores e visitantes durante o horário comercial, as empresas que continuam a operar durante a noite são muitas vezes incapazes de fornecer o mesmo serviço de servir comida durante esse período.

A máquina refrigerada de venda automática Pantry tem um leitor de RFID para identificar quais alimentos os consumidores retiraram de suas prateleiras
Neste ano, o Department of Nutrition and Food Services, da University of California, San Francisco Medical Center, e o Stanford Health Care testaram os quiosques refrigerados para determinar se poderiam usar o sistema Pantry para fornecer alimentos frescos e bebidas frias para funcionários e visitantes, mesmo quando os membros da equipe não estavam disponíveis para vender o produto pessoalmente.

"Nossas operações têm utilizado máquinas de venda tradicionais durante anos", diz Charles Davies, diretor associado do Centro Médico UCSF de operações e inovação culinária. As máquinas dispensam salgadinhos e bebidas embalados. No entanto, diz ele, como a armazenagem de uma máquina de venda automática e gerenciamento de inventário pode ser demorados, essas máquinas não costumam vender alimentos frescos. "Com o uso de etiquetas RFID e quiosques PantryLabs, agora expandimos nossas opções de venda automática para os alimentos frescos e refrigerados", diz Davies. Isso inclui sanduíches, saladas, frutas e pratos principais, como burritos, que podem ir ao microondas.

O centro médico está aberto 24 horas por dia, enquanto que o seu café fecha à noite, deixando o pessoal e outros clientes com poucas opções de alimentos, exceto os itens vendidos em máquinas de venda automática após o horário comercial. Em abril de 2014, a UCSF instalou a Pantry, que se assemelha a um refrigerador com uma porta de vidro transparente.

A Pantry tem um módulo leitor RFID ThingMagic Mercury6e e uma antena em cada uma de suas prateleiras. A unidade emprega uma conexão celular Wi-Fi ou 3G para conectar-se ao servidor hospedado no PantryLabs, diz Tkachenko, onde os dados sobre o inventário são armazenados e gerenciados. A escolha por uma conexão celular contra Wi-Fi, diz ele, depende da estabilidade da rede.