RFID Noticias

Saúde está no foco dos fornecedores de tecnologia

A Agfa se junta aos players do mercado brasileiro que oferecem tecnologia RFID para melhorar a gestão de hospitais e clínicas

Por Edson Perin

18 de julho de 2014 - O setor de saúde do Brasil tem muito a ganhar com a tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID), tanto para o rastreamento de medicamentos – que, por uma decisão do governo federal, tomada neste ano, ainda dependerá das limitações dos códigos de barras (leia mais em Tecnologia para uma saúde melhor) – como para melhorar a gestão de hospitais, clínicas, postos de saúde, entre outros elos de sua ampla cadeia de suprimentos, incluindo fornecedores, laboratórios, fabricantes de medicamentos etc.

A Agfa HealthCare apresentou nesta terça-feira (15/07/2014), em São Paulo, uma plataforma RFID para ampliar a gestão e visibilidade das empresas de saúde tanto sobre os seus equipamentos em uso e medicamentos de alto valor agregado como, inclusive, rastrear a circulação de pacientes e funcionários. A chamada Trackstar foi desenhada para ser uma espécie de base para a plataforma de Business Intelligence (BI) da companhia para o mundo dos cuidados de saúde.

James Thornhill, da Agfa
De acordo com James Thornhill, diretor de desenvolvimento de negócios da Agfa, baseado em San Diego, nos Estados Unidos, apesar dos grandes avanços tecnológicos nos equipamentos para exames médicos, os serviços de saúde, de um modo geral, ainda estão muito atrasados no uso de tecnologia para aprimorar a gestão de seus recursos físicos e humanos.

"O setor de saúde ainda não colhe os benefícios de muitas das tecnologias que estão sendo empregadas em outros segmentos de missão crítica", declara o executivo.

A plataforma da Agfa visa a justamente oferecer o algo mais que falta no setor, já que permite integrar diversas soluções RFID em conjunto, fornecendo uma interface única e inteligente para controlar a localização de equipamentos para exames, disponibilidade de leitos, suprimento de medicamentos de alto custo, além de fornecer informações sobre o tempo de espera de cada paciente por atendimento, disponibilidade das equipes de enfermeiros e médicos, fiscalização quanto ao cumprimento de normal e regulamentos, como os referentes à lavagem das mãos, entre outros.

"O ROI (return over investment ou retorno sobre o investimento) de nossa solução RFID ocorre seis meses após a implementação e início das operações", afirma Thornhill. "A economia por leito chega a US$ 5 mil por ano, segundo levantamentos realizados nos Estados Unidos". O sistema da Agfa pode ser associado ao uso de tecnologia de localização em tempo real (RTLS) e câmeras, inclusive oferecendo uma interface gráfica para visualização de objetos, pacientes e membros das equipes de atendimento, incluindo médicos e enfermeiros.