RFID Noticias

Museu de Taiwan mantém visibilidade sobre obras de arte

O sistema RFID foi concebido para que o museu possa conhecer a localização em tempo real de seu acervo em exposição ou em seu armazém

Por Claire Swedberg

10 de julho de 2014 - O National Taiwan Museum of Fine Art (NTMOFA) lançou uma solução de identificação por radiofrequência híbrida, ou seja, ativa e passiva, para gerenciar a circulação de seu acervo de obras dentro e fora de seu armazém e para localizá-las em uma de suas 24 salas de exposição. A solução, fornecida pela EPC Solutions Taiwan, inclui carrinhos habilitados com RFID passivo ou ativo, portais RFID fixos no armazém, etiquetas passivas nas obras de arte e o software Futaba Electronics Taiwan para gerenciar os dados coletados. De acordo com T. H. Liu, presidente da EPC Solutions Taiwan, o sistema foi lançado neste ano, com leitores ativos na área de armazém e para identificar a localização do pessoal com crachás.

Em um edifício principal de 37.953 metros quadrados e um parque de escultura ao ar livre de 102 mil metros quadrados, o NTMOFA afirma ser fisicamente o maior museu de arte da Ásia. A instituição conta com cerca de 20.000 obras de arte de todo o mundo, seja em exposição ou no armazenamento. O edifício inclui três andares, bem como um porão medindo 14.600 metros quadrados, alocados para as exposições.

O National Taiwan Museum of Fine Art lançou uma solução de RFID híbrida (passiva e ativa) para gerir a circulação de seu acervo e visitantes dentro e fora de seu armazém
Para garantir que uma obra de arte em depósito ou em exposição não acabe se perdendo, o museu estava usando um sistema baseado em RFID desde 2006 consistindo de etiquetas RFID ativas de 433 MHz proprietárias que os funcionários usavam ao entrar no armazém (para rastrear seus movimentos) e as mesmas tags ativas de 433 MHz grudadas nas obras de arte de alto valor em exibição nas salas de exposição. Leitores RFID capturam números de identificação e o software do museu determina se a obra de arte está em movimento, além de criar um mapa de rotas de trabalhadores com tags dentro do armazém, para garantir que eles não retiram obras de arte da instalação sem autorização.

A etiquetagem de todas as obras de arte era impossível, no entanto, devido às tags ativas de 5 por 10 centímetros custarem cerca US$ 25 cada. As etiquetas ativas foram equipadas com sensores de movimento que muitas vezes desencadeavam falsos alarmes. Além do mais, a solução não fornecia dados de localização das obras de arte em trânsito em carrinhos de rodas entre o armazém e os pavilhões de exposição.

A EPC Solutions Taiwan forneceu um sistema que resolveu essas questões, anexando uma tag passiva EPC Gen 2 de UHF em cada uma das 20.000 peças de arte da coleção. A implantação usa tags Alien Technology ALN-9654 para arte não metálica e tags EPC Solutions para esculturas de metal. Antenas de leitura EPC Solutions FlexAnt, na forma de cabos coaxiais, foram instaladas atrás das paredes em que as obras são exibidas.